Caso Liberty: “2010 será um ano difícil” diz Artur Lopes

O Presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo avalia que ainda é cedo para “avaliar as repercussões” dos três casos positivos na Liberty Seguros mas afiança que o sucedido é “como uma pedra grande a cair num charco: as pessoas que estão ao lado salpicam-se”, afirmou à agência Lusa.
Artur Lopes garante que irá manter o rigor na “defesa da saúde dos atletas e da verdade desportiva”, antevendo que “2010 será um ano muito difícil”. O dirigente federativo crê, contudo, na “capacidade regeneradora da modalidade”. Apesar do “auto-flagelo difícil de compreender e de explicar”, acrescenta.
“É um patrocinador forte que se perde e isso, só por si, já é negativo. E a perda de uma equipa profissional, bem organizada e com capacidade, talvez a melhor do pelotão nacional, ainda é mais. Logicamente, vai reflectir-se no ciclismo”.

Artur Lopes permanece contido nas declarações à comunicação social na sequência do caso Liberty Seguros que envolveu, com amostras positivas a CERA (EPO de efeito prolongado), Nuno Ribeiro, Hector Guerra e Isidro Nozal. O presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo evitou comentar publicamente o assunto na sua forma oficiosa mas depois de União Ciclista Internacional (UCI) denunciar os casos na sua página oficial avaliou à Agência Lusa que estes casos “são como uma pedra grande a cair num charco: as pessoas que estão ao lado salpicam-se”.
O dirigente federativo crê, contudo, na “capacidade regeneradora da modalidade”. Apesar do “auto-flagelo difícil de compreender e de explicar”, acrescenta.

“Vamos ter capacidade para sair por cima, a Volta, que em 2009 foi um tremendo êxito, no próximo ano, vai diminuir de categoria, a pedido do organizador, e isso vai permitir outro tipo de participações, que terão de ser acertadas após o congresso da UCI (União Ciclista Internacional”, frisou o presidente da FPC, garantindo manter o rigor na “defesa da saúde dos atletas e da verdade desportiva”.
“Ainda é muito complicado avaliar as repercussões” da detecção de CERA (EPO de acção prolongada) nas análises dos três corredores, mas adverte que o ciclismo poderá passar por sérias dificuldades a curto prazo.

“É um patrocinador forte que se perde e isso, só por si, já é negativo. E a perda de uma equipa profissional, bem organizada e com capacidade, talvez a melhor do pelotão nacional, ainda é mais. Logicamente, vai reflectir-se no ciclismo, nos organizadores e nas equipas, que, quando pedirem apoios, vão ouvir muita vez a justificação de que há muitos problemas na modalidade”, explicou Artur Lopes. “2010 será um ano muito difícil”, afiança.

9 thoughts on “Caso Liberty: “2010 será um ano difícil” diz Artur Lopes”

  1. Olá, concordo plenamente com o João Alves… Que vão controlar as outras modalidades pk esta está a ser já muito bem controlada. Ainda vai rebentar mais umas bombas, mas não só no ciclismo. E da menina Vanessa Fernandes pk nunca mais se ouviu falar dela?

  2. O engraçado é que quando acontece algo de errado fala-se de tudo aquilo que se sabe e , na sua maioria, do que não se sabe. O que acontece ou não só a própria equipa conhece, ou se calhar nem ela! Certo é que cada caso tem de ser avaliado como único. Não percebo que raio de comparações se fazem por aqui… Pelo que se sabe mais ciclistas foram controlados, no entanto, só estes acusaram. Não cabe a nós, mero público, avaliar o tipo de lágrimas que corre para cara de cada um. Infelizmente. tal como em tantos outros desportos, muito coisa corre por detrás daquilo que se sabe.

  3. Eu gosto é de ver as lágrimas de crocodilo de algumas pessoas.
    Acho que os castings para actor dos morangos ainda estão a decorrer.
    Quer dizer, quando um ciclista acusa a culpa é sp dele e nunca dos maiorais. É tipo saunier duval em que o DD era o que incitava os ciclistas a doparem-se e quem n o fizesse obviamente n andava e no ano seguinte ja sabia o que o esperava. Resultados 2 ciclistas suspensos e um treinador que continua a exercer as suas funções cm se nada tivesse acontecido.
    Como em tudo na vida quem se lixa é o pequeno.

  4. Só kuando algum DD for preso é k as restantes equipas vão ter medo!! até esse dia este ciclo vicioso nunca vai acabar e kem se vai lixando é o mexilhão!!

  5. é acabar com o ciclismo em portugal.

    estamos num pais k plos vistos so se fala desta modalidade kndo existem casos destes. grande parte da população portuguesa ouviu pela primeira vez o nome de nuno ribeiro. para a comunicação social (infelizmente) o escandalo vende mais do k o desporto em si. o ciclismo é alta competição como todos os outros desportos. a propria liberty seguros teve mais publicidade estes dias do k em toda a sua existencia. dizia um amigo meu: “…eu para ganhar dinheiro so preciso k falem de mim, mal ou bem?… isso ñ interessa”.
    esta foi a maneira encontrada de um desporto como o ciclismo dar milhões a muita gente. tenho dito…

  6. espero q isto mude….p causa detas coisas as eqipas amadoras tem cada vez mais dificuldade em ter patrociniios!!!!!e andam estes gajos cm grandes orçamentos a meter pas veias!!! vao mas é treinar q eu faço todos dias ,se nao tem pernas paciencia!!!!

  7. Como adepto do ciclismo fico triste pelo sucedido. No entanto, se nas outras modalidades desportivas houvesse controlo sanguíneo sugiriam muitos mais casos do que no ciclismo. Não podemos esquecer que 80% dos desportistas envolvidos na “operação puerto” não eram ciclistas.

Os comentários estão fechados.