Bernhard Kohl descredibiliza os controlos antidopagem

“Em 200 controlos [que me fizeram], 198 nada mostraram. E eu garanto que  cem deles deveriam ser positivos”, disse Bernhard Kohl, 27 anos, numa entrevista televisiva, após anunciar o fim da carreira. “Injectei-me pela manhã, os controladores chegaram uma hora depois. E então?”, exemplifica o austríaco, que conta ter fintado os controlos, desde os 19 anos, idade com que começou a dopar-se.

Agora que declarou o fim da carreira, Kohl não tem papas na língua e fala com ironia do meio velocipédico. Mesmo com o passaporte biológico e as práticas sistemáticas de dopagem, os valores sanguíneos do corredor mantiveram-se estáveis. A Silence-Lotto – que o havia contratado para 2009 antes de rebentar o escãndalo – conhecia esses valores “e pensou ‘Uau! Ele fá-lo bem’. Porque eles sabem que não terminas o Tour em terceiro lugar apenas a pão e água, o lado medicinal tem de estar presente também. Eles pensaram ‘este tipo não nos faz correr riscos, podemos gastar uma data de dinheiro com ele'”, acrescentou Kohl.

O princípio do fim da carreira do ciclista austríaco deu-se na Volta a França de 2008, prova em que acusou CERA – EPO de efeito prolongado – em dois controlos. Agora, Bernhard Kohl conta que durante o Tour não se limitou a tomar aquela droga, tendo recebido três transfusões de sangue, que lhe fora previamente extraído e centrifugado. As transfusões, durante a Grande Boucle, faziam parte da rotina: “Em poucos minutos, entre massagens, entrevistas e refeições, era muito rápido, demorava cerca de 20 minutos”.

Bernhard Kohl garante que a Gerolsteiner não tinha um esquema de dopagem organizado no seio da equipa, mas dá a entender que os médicos tinham de saber quem se dopava, pois a comparação entre os resultados de cada um e as suas capacidades deixava claro o que se estaria a passar.

Fonte: Cyclingnews

5 thoughts on “Bernhard Kohl descredibiliza os controlos antidopagem”

  1. Doping sempre houve e sempre ha-de haver e não só no ciclismo, é como o policia e o ladrão ver quem foge mais, mas isto só vem confirmar que só é apanhado quem eles querem e que os resultados são manipulados. A esses jovens ciclistas não desanimem nem desistam, doping existe em todas as modalidades de competição pena é só se falar do ciclismo que é desde sempre a mais controlada.

  2. Efectivamente quem controlar bem a parte médica passa a ter louros…
    Que vergonha de alta competição. Se aquele começou com 19 anos, imagino o que farão outros bem mais cedo e se calhar não é necessário sair além fronteiras…

  3. Tu e muitos outros… Pena que ninguém veja essa perspectiva em relação a este problema!

  4. era um dos ciclistas que eu mais admirava..

    mas ao fim de estas declaraçoes fico a pensar se continuo no ciclismo..tenhu 16 anos , sonhava em ser como ele..mas agora nao….este homem é um animal..

  5. Pois. Nada a contestar, apenas uma longa guerra para ganhar, com várias batalhas perdidas, mas com alguma esperança, num ultimato favorável ao nosso lado.

Os comentários estão fechados.