Pogacar ganhou a tudo e todos

Forte, demasiado forte, Pogacar revelou uma potência, que deixou muita gente de boca aberta e de espanto.

A geral individual do Tour começou a desenhar-se demasiado cedo. Primeiro foram as quedas e, agora o C/RI de 27 kms, separou ainda mais a lista restrita, dos possíveis candidatos ao triunfo final, ainda por cima, num Tour sem grande montanha.

Pogacar venceu a etapa, cilindrou os seus diretos adversários, e mesmo Geraint Thomas, que estava no seu terreno, perdeu muito tempo, numa etapa em que era prevísivel aproximar-se do esloveno.

Roglic foi quem mais se aproximou de Pogacar, ficando a 44 segundos do seu compatriota.

Dos seus adversários diretos, nem um conseguiu aproximar-se. Quem mais perto ficou foi Roglic a 44 segundos, Rigoberto Uran a 1.04, Alaphilippe a 1.11 , Geraint Thomas a 1.18, Carapaz a 1,44 e Enric Mas a 1,47. Isto quer dizer que o chefe de fila da UAE ganhou a tudo e todos, consolidando o seu lugar na geral individual. Um lugar em que até acabou por ter sido premiado, é segundo a oito segundos do holandês, deixando para Van der Poel e a sua equipa, o controlo de pelo menos mais uma etapa.

Van der Poel defendeu-se com unhas e dentes. No final conservou oito segundos de avanço, na geral para Pogacar.

Na geral individual entre o primeiro e o 20º já há uma diferença de tempo de mais de dois minutos, deixando nomes como Quintana a 2.45, Nibali a 2.55, Porte 3.58.

Jonas Vingegaard foi a grande revelação de hoje.

Principais nomes em destaque hoje. Sem duvida o terceiro lugar do dinamarquês Jonas Vingegaard que, aos 24 anos, se assume cada vez mais um maior protagonismo no seio da equipa da Jumbo e que poder ser uma alternativa a Roglic, em algumas das etapas montanhosas do Tour. Pelo menos, na hora de atacar, os holandeses podem-no fazer em duas frentes.

Quem está a falhar é, sem duvida a equipa da Ineos, naturalmente por culpa exclusiva das quedas, que afastou Tao e Porte, que nos parece ser o homem mais forte dos britânicos, aliando a sua capacidade nos C/R e na alta montanha. Carapaz vai ser um problema para Pogacar na alta montanha, mas a sua fragilidade no C/R já não fazem dele um potencial candidato ao triunfo final. Seja como for, a Ineos tem Thomas e Carapaz para atacar, e mesmo Porte a 3.58 é ainda um nome a não descartar e será, certamente, o homem que mais vezes vai estar na linha da frente.

Guillaume Martin já está a mais de cinco minutos de Pogacar.

Ainda e para terminar, uma pequena comparação de como as coisas já estão neste Tour. Guillaume Martin, o chefe de fila da Cofidis, um razoável ciclista, apontado por muitos como um potencial candidato a um top ten, já está a mais de cinco minutos de Pogacar, tal como. aliás, Angel Lopez.

One thought on “Pogacar ganhou a tudo e todos”

  1. O esloveno da UAE Emirates, que na segunda-feira festeja 22 anos, bateu todos os recordes de precocidade, imitando o Canibal Eddy Merckx, considerado o melhor ciclista de todos os tempos, que, em 1969, quando tinha 24 anos, ganhou o seu primeiro Tour, alem das classificacoes da montanha e da regularidade. No entanto, Pogacar e mesmo o primeiro corredor a vestir a amarela, a camisola das bolas vermelhas (montanha) e a branca no podio final desde que a classificacao da juventude foi instituida em 1975.

Os comentários estão fechados.