Cavendish acalmou ânimos no Tour

Mark Simon Cavendish MBE (nascido em 21 de maio de 1985) é considerado um dos maiores sprinters de estrada de todos os tempos, mas também é conhecido por seu estilo agressivo que levou a vários incidentes.
Cavendish é profissional desde 2005 e alcançou onze vitórias na sua primeira temporada profissional. Venceu trinta e uma etapas do Tour , colocando-o em segundo lugar na lista de todos os tempos. Foi campeáo do mundo em 2011, ganhou a classificação de pontos em todas as três grandes provas : a Vuelta a España 2010, a Volta da França de 2011 e o Giro d’Italia de 2013. Em 2012, foi o primeiro a vencer a etapa final da Champs-Élysées no Tour de France em quatro anos consecutivos.Ganhou sete etapas do Tour em 2013, uma em 2015 e quatro em 2017. Ainda uma vitória na primeira etapa do Tour de France 2016, que lhe valeu a sua primeira camisola amarela da sua carreira. O britânico continuou com bons resultados até agosto de 2018, quando foi diagnosticado com o vírus Epstein-Barr.
Nas homenagens de aniversário da rainha em 2011, Cavendish foi nomeado membro da Ordem do Império Britânico (MBE) “pelos serviços prestados ao ciclismo britânico”.





Com o seu estilo inconfundível, corpo sobre a máquina, arrojado e temerário, Marc Cavendish suplantou tudo e todos sobre o risco de meta. Os principais sprinters estavam lá, lado a lado, ombro com ombro. Bem lançado o britâncio impulsionou a sua bicicleta como só ele o sabe fazer, e voltou aos seus velhos tempos, quase que obrigando a admitir que quem sabe não esquece .

Foi um triunfo suado, com Brent Van Moer a não merecer tamanha sorte. A cerca de 250 metros para a meta, o ciclista da Lotto-Soudal ainda estava na frente isolado, mas a velocidade do pelotão foi de tal ordem que veio para a 49º em poucos metros.

Finalmente o Tour respirou de alívio. As quedas deixaram de ser o tema do dia, agora por alguns dias, Cavendish será o tema forte do Tour. Bouhanni que está, também, a fazer um Tour bem positivo foi segundo, enquanto Philipsen acabou na terceira posição. No final, Van der Poel continuou de amarelo, mas Cavendish é, agora o novo camisola verde.