Cavendish: ” É bom ter um pouco de sorte”

Lágrimas de felicidade com Mark Cavendish após vitória inesperada no Tour: “Achei que nunca mais voltaria aqui”

Há quem acredita em milagres. Em Portugal tivemos Fátima ,em França há a santa de Lourdes, e na ilha de Man, Marc Cavendish.

Mark Cavendish venceu a quarta etapa do Tour de France, a sua 31ª vitória na maior prova do mundo. Para milagres em território gaulês, já não é preciso ir a Lourdes, hoje apareceu um novo santo milagreiro e a aparição aconteceu em Fougéres, com Mark Cavendish. Completamente em branco, nas duas últimas temporadas, o britânico ressuscitou e, mesmo na condição de substituto de Sam Bennett mostrou quer, afinal, o seu lugar no Tour foi conquistado por direito próprio.

Poucos ciclistas irão , ao longo deste Tour, empolgar os fãs como o fez hoje Cavendish. O seu espiríto resmungão, que contrabalança com a sua humildade fora da bicicleta, o esforço que fez para continuar no circuito World Tour e a confiança que tinha em si próprio, fazem, pelo menos para já, de Cavendish um dos homens qie irão ser mais admirados no final deste intrincado e desconcertante Tour.

Cavendish mereceu este triunfo, principalmente porque lutou para o conseguir, lutou quase se rebaixando ao ponto de pedir um lugar na equipa de Lefevere, que o aceitou com algumas interrogações. No final, ambos estão agora de parabéns e, verdade verdadinha, quem deve estar com uma grande cachola é Bennett.

Eu não sei o que dizer. Apenas estar aqui já é mais que especial e suficiente. Pensei que nunca mais voltaria aqui e teria esta oiportunidade “, disse Cavendish em lágrimas durante a entrevista instantânea. “

Uma vitória improvável para Cavendish quando este temeu pelo fim da carreira no final do ano passado. “Há tantas pessoas que pararam de acreditar em mim, menos os responsáveis da Deceuninck – Quick-Step . Nunca quis que coisas más acontecessem a outras pessoas, mas depois dos últimos anos, é bom ter um pouco de sorte. “

Notícias de fotos
Lefevere com Morkov no final da etapa : ” No autocarro da equipa todos choramos de alegria.” afirmou o veterano diretor belga.