Volta ao Alentejo com etapas longas e calor em excesso

A Volta ao Alentejo não foge ao que nos é apresentado ano após ano, numa prova tipicamente destinada a roladores, caraterizada por etapas longas que a tornam algo monótona. A edição do ano passado ficou na gaveta, regressando um pouco mais tarde, portanto com mais calor, proporcionando um maior desgaste. A quilometragem excessiva das etapas, nestas condições climatéricas, deveria ter sido tomada em linha de conta por parte dos organizadores, reduzindo a quilometragem e proporcionando etapas mais nervosas e espetaculares.

Equipas participantes:

Antarte-Feirense, Atum General-Tavira-Maria Nova Hotel, Efapel, Kelly-Simoldes-UDO, LA Alumínios-LA Sport, Louletano-Loulé Concelho, Rádio Popular-Boavista. Tavfer-Measindot-Mortágua e W52-FC Porto (POR),Nippo-Provence-PTS Conti (FRA), Swiftcarbon Pro Cycling (GBR), Team Dauner-Akkon (GER) ,Burgos-BH, Caja Rural-Seguros RGA, Equipo Kern Pharma e Euskaltel-Euskadi (ESP) , Almodôvar, Maia e Sicasal .

Vejamos o resumo das etapas, o percurso ao pormenor e por último o seu perfil .

A primeira etapa da alentejana é totalmente plana. A maior dificuldade concentra-se na excessiva quilometragem, a que se vai juntar naturalmente, o calor. A parte final poderá ter algum frisson, caso o vento apareça em força. Teremos a possibilidade de um trkiunfo ser discutido ao sprint, numa chegada tipicamente dificil, com uma chegada em que os puros sprinters poderão ter grandes dificuldades.


Mais uma etapa de arromba em termos de kms. Desta feita são 200 kms, com dois pequenos topos de 4ª categoria, para salvaguardar a existência do chamado Prémio de Montanha, camisola azul. Chegada para sprinters, pelo menos é o que parece à primeira vista.


De Alcacer a Moura. com passagen por Montemor o Novo, uma escalada de 3ª categoria, sem qualquer tipo de dificuldade. Mais uma etapa longa 170 kms.


A etapa rainha da Volta ao Alentejo, com topos curtos, algo inclinados. Os favoritos reservam-se unicamente para esta etapa e é aqui que, á falta de outros momentos, a Volta ao Alentejo vaos seriar os favoritos,que de tarde no C/R tirarão as duvidas.
Um C/R curto, dificil. Uma fase inicial para trepadores. Uma fase a seguir para descedores, algo perigosa, com uma chegada a Castelo de Vide a exigir muita potência. O venecdor fica aqui decidido com toda a certeza.

A última etapa bem podia ser um pouco mais curta. Afinal nada está por decidir. O triunfo será com toda a certeza discutido ao triunfo.