Festival de Neves e Gomes na coroação de Maurício

Quem assistiu a esta última etapa do Prémio do Douro ficou maravilhado. O ciclismo no seu melhor, numa etapa que nunca parou, de grande expetativa de princípio ao fim, e com dois homens a brilhar: José Neves ( W52 ) e Luis Gomes ( Kelly). Logo à partida, na saída de Tabuaço, ficou na frente um grupo de seis ciclistas, Gomes, Neves, Moreno ( Efapel), Pedro Pinto ( Mortágua), Bruno Silva ( Feirense) e Grigoriev ( Tavira).

O grupo foi ganhando terreno, começou com 20 segundos e poucos kms à frente, José Neves que estava a apenas 35 segundos  do camisola amarela já era líder virtual. A Efapel colocou três ciclistas na frente, mas aos poucos ia perdendo tempo. A vantagem máxima do grupo da frente cifrou-se em 1.50 e o pânico começou a instalar-se nas hostes de Mauricio Moreira.

Mas se na frente, Neves e Gomes impunham um ritmo de loucos, cá atrás a Efapel acabou por controlar bem. Queimou António Carvalho, André Domingues e Karel até à entrada da última escalada, em Castro Daire, conservando Frederico Figueiredo para a subida, de forma a auxiliar Mauricio Moreira. Mas, seria este que teve de trabalhar, valendo depois Javier Moreno, que descaiu do grupo de Neves e Gomes para auxiliar o uruguaio. Mesmo assim, no alto da montanha Gomes e Neves ainda tinham 1 minuto de vantagem. Ultrapassada a montanha, faltavam 25 kms, praticamente a descer e com uma ajuda do Mortágua, talvez na perspetiva de preparar o final para Yuri Leitão, a fuga acabaria por ser neutralizada a pouco menos de 10 kms para a meta.

Depois do espetáculo , outro sucedeu-se para a disputa do sprint, com chuva o que tornou o piso escorregadio, felizmente não se registaram quedas e o triunfo pendeu para o argentino do Louletano Tomas Contte que levou a melhor sobre Leitão e Daniel Freitas.

No final Mauricio Moreira, que não ganhou para o susto foi o vencedor individual e coletivo a Radio Popular-Boavista. Com uma panóplia de camisolas , nada mais nada menos que dez ciclistas premiados, a cerimónia do pódio deixou de ter graça e… valor.

Para melhor se aquilatar do nível da etapa, basta atentar para a média : 42,336 kms/h, num percurso pouco rolante e com muitas subidas de pequena inclinação, mas desgastantes.