Mauricio Moreira ( Efapel) o melhor na 1ª etapa do Prémio do Douro

Maurício Moreira vence primeira etapa e lidera GP Douro Internacional -  Ciclismo - Jornal Record

Mauricio Moreira ( Efapel) foi o vencedor da 1ª etapa do Prémio Douro Internacional, único sobrevivente de uma fuga de oito ciclistas.

A etapa que ligou Moncorvo ao Mogadouro, na distância de 144 kms, foi marcada pelo calor e pelo regresso do ciclismo à região duriense, após alguns anos de afastamento da região. A expetativa não foi gorada, com uma partida muito rápida, que semeou o pânico na traseira do pelotão, com muitos ciclistas a ficarem para trás.

Depois de muitas tentativas formou-se na frente um grupo de oito ciclistas, um de cada equipa, menos da Al Aluminios. Mauricio Ribeiro ( Efapel) Gonçalo Carvalho ( RP-Boavista), Jorge Magalhães ( W52-FCP), Gaspar Gonçalves ( TavFer), Emanuel Duarte ( Tavira), Gonçalo Mado ( Feirense) e Nicolas Paredes ( Louletano) e Luis Gomes ( Kelly). O grupo rapidamente ganharia cerca quatro minutos, vantagem máxima.

No pelotão, a equipa da LA Aluminios sem nenhum ciclista na dianteira tentou anular a escapada, mas sem o conseguir, acabando apenas por reduzir a diferença para 2.20. No grupo da frente, Mauricio Moreira era o único que não puxava, e o entendimento começou a não ser o melhor. Emanuel Duarte foi o primeiro a atacar, ganhou um minuto e o grupo começou a perder unidades. Atacando forte a cerca de 40 kms da meta, Mauricio Moreira passou por Emanuel Duarte e nunca mais parou até à meta. Cá atrás Radio Popular- Boavista e W52-FCP bem perseguiram, mas o melhor que conseguiram foi reduzir a diferença no final para 25 segundos.

O regresso do ciclismo ao Alto Douro fez lembrar a Volta a Trás os Montes, competição que deixou há alguns anos de pertencer ao calendário nacional. No final, o pelotão que já era magro, 96 ciclistas à partida, ficou ainda mais curto para o dia de amanhã : 84.

2 thoughts on “Mauricio Moreira ( Efapel) o melhor na 1ª etapa do Prémio do Douro”

  1. A volta a Trás-os-Montes devia regressar, faz muita falta ao calendário. Boas subidas, etapas “rompe pernas”, bonitas vilas e cidades e maravilhosas paisagens. Mas são sobretudo as aldeias transmontanas que mais mereciam o seu regresso. Enquanto a transmontana não regressa fica o obrigado ao JN por nos proporcionar este grande prémio.

Os comentários estão fechados.