Contte deu a volta às contas e acabou vencedor do Abimpta

Uma etapa muito movimentada, com um grupo de 25 ciclistas a cortar a meta compacto, depois de muitas perdas de unidades ao longo da segunda e última etapa do Abimota, que acabou por decidida aos pontos e com o triunfo a pender para Tomas Contte do Louletano.

Um ritmo diabólico na primeira fase a rolar , com a habitual passagem por Mira e pelas praias da Torreira, e com a única meta volante com bonificação a situar-se nos primeiros 50 kms da corrida. O pelotão passou compacto e o sprint foi ganho por Luis Mendonça logo seguido por Rafael Reis, e o terceito lugar foi para Francisco Campos do W52. Entre Mendonça e Reis havia um segundo de diferença, que se viria a revelar decisivo no final de todas as contas.

Depois veio a fase da montanha. Passou-se Sever de Vouga, o grupo foi diminuindo, e em Talhadas o pelotão esticou mesmo. Os poucos homens da W52 na frente de um grupo de mais sete ciclistas impuseram um ritmo forte e Rafael Reis ficava para trás, ajudado por Frederico Figueiredo e Luis Mendonça conseguiu recolar. Formou-se na frente um grupo de cerce de 25 unidades que, após um série sucessiva de ataques, foram sempre contrariados pelo pelotão. O sprint final acabaria por ser decisivo com Rafael Silva ( Feirense ) a bater Contte. A decisão final acabaria por ser decidida pela contagem dos lugares obtidos por Contte e Reis nas duas etapas. Contte com dois segundos lugares somou quatro pontos, Reis com um primeiro e um quarto acabaria por somar cinco pontos. Um ponto separou os dois homens, o suficiente para um triunfo que náo foi de todo tão inesperado. O ciclista argentino do Louletano é rápido e teve o condão de aguentar as diversas contagens de montanha.

Pode ser uma imagem de uma ou mais pessoas e bicicleta