Kasper Asgreen e Figueiredo azarados

Não se pode dizer que o pelotão andou muito, na globalidade dos 189 kms da etapa. Quem andou bem, isso, sim, foi a fuga dos quatro heróis do dia, que correram na dianteira do pelotão, 165 kms, sem que tivessem alguma comiseração por parte do pelotão, que nunca deixou que a fuga tivesse mais de três minutos de vantagem.

Parecia uma corrida do gato e do rato. Com a fuga a ser muito controlada por parte da Deceuninck e Bora. Deixavam ganhar quase três minutos, diminuíam para dois minutos, e as coisas lá se foram ,mantendo até cerca de 20 kms da linha de chegada. Aqui sim, as coisas aqueceram, os homens da Deceuninck imprimiram um andamento de cortar à faca, e naturalmente as quedas sucederam-se. Cada rotunda, cada queda, e nela ficaram homens importante como Kasper Asgreen, por exemplo, do lado dos estrangeiros, enquanto por cá, Frederico Figueiredo foi um deles.