Algarve à porta

O tempo passou rápido e a Volta ao Algarve aí está à porta, com um pelotão que se pode considerar de luxo, sem as habituais vedetas de outros anos, a mudança de data assim o obrigou, dada a acumulação de provas neste período, com natural destaque para coincidência da Algarvia com o Giro.

Sam Bennett será, pelo menos a crer na lista de inscritos ainda não oficial, o nome de maior cartel, ele que é um dos melhores sprinters do mundo, numa equipa, a Deceuninck que tem ainda a presença de Kasper Asgreen, grande laureado das clássicas deste ano. A Ineos não tem nomes conhecidos, mas a atenção dos portugueses poderá concentrar-se na UAE que será chefiada por Rui Costa que regressa , depois de alguns anos de ausência ao Algarve.

A Bora traz Pascal Ackermann, será interessante o duelo com Bennett mas outros nomes consagrados como os do costume, não é possível nesta altura da época. Lembremo-nos, contudo, que a Volta ao Algarve tem sido rampa de lançamento de muitos jovens internacionais, e que a ausência dos leaders será aproveitada para que muitos ciclistas possam dar nas vistas, numa prova que já goza de prestígio além fronteiras.

As equipas nacionais, ainda sem grande rodagem, foram disputadas apenas três provas de um dia até o momento, poderão este ano ter mais oportunidades de dar nas vistas, muito embora seja difícil dada a qualidade das equipas presentes, quer do World Tour quer Continentais profissionais.

O percurso é o habitual de outros anos. O seu equilíbrio é a nota dominante: duas etapas para sprinters, duas para ciclistas duros e com caraterísticas trepadoras e uma para os especialistas do C/R. No final, todos saem contentes, pois há oportunidades para todo o tipo de ciclistas.

Já todos sabemos que a prova será transmitida pela Eurosport e pela CM TV, a nível nacional, nos últimos 90 minutos, depois da FPC ter conseguido fazer um acordo com o grupo Cofina, para a transmissão de outras provas, para além da algarvia.