Salários das estrelas e os minimos do pelotão Wordl Tour

Mercê do seu triunfo no Tour, o esloveno Tadej Pogacar (Emirados Árabes Unidos) ganhou uma nova dimensão com o público em geral., passando a ter um vencimento compatível com o seu valor e prestígio. A sua equipa, ciente de ter um talento excecional, prolongou o contrato do esloveno até 2026, mas por que preço? De acordo com informações divulgadas pela La Gazzetta dello Sport, o ciclista de 22 anos ganha 5 milhões de euros por temporada, o que faz com que seja um dos ciclistas mais bem pagos do pelotão profissional. A imprensa italiana divulgou outros salários. Egan Bernal (INEOS Grenadiers), vencedor do Tour de France 2019, ganha 2,8 milhões de euros por temporada, contra 3 milhões do italiano Vincenzo Nibali (Trek-Segafredo).

Ainda de acordo com a imprensa desportiva italiana, o campeão mundial Julian Alaphilippe (Deceuninck-Quick Step) recebe um salário de 2,3 milhões de euros por temporada. O belga Wout Van Aert (Jumbo-Visma, a 2,2 milhões de euros, o campeão holandês Mathieu van der Poel (Alpecin-Fenix, 2 milhões de euros) também estão entre os ciclistas mais bem pagos . Não são conhecidos os salários Peter Sagan (BORA-hansgrohe), Chris Froome (Israel Start-Up Nation) ou mesmo Geraint Thomas (INEOS Grenadiers) , que fazem parte dos ciclistas mais bem pagos.

Entretanto em termos de salários mínimos estabelecidos pela UCI, para os e as ciclistas do World Tour, são os seguintes:

As equipas femininas do World Tour têm como ordenado mínimo das suas ciclistas os seguintes valores é a seguinte: um salário base de € 20.000 (trabalhador por contra de outrem) ou € 32.800 (trabalhador independente) em 2021, enquanto o salário mínimo masculina é de € 40.045 (empregado) ou € 65.673 (independente). Entretanto, os ciclistas da Trek-Segafredo e da Team BikeExchange vão passar a receber o mesmo salário mínimo : € 40.045, quer sejam masculinos ou femininos.