Ángel Vicioso concluiu GP Rota dos Móveis com vértebra partida

O ciclista espanhol Ángel Vicioso (Andalucía-Cajasur) foi o nono classificado no recente GP Paredes Rota dos Móveis, competição que concluiu com uma fractura na vértebra L1. O corredor caiu no decurso da segunda etapa e foi assistido pelo médico da prova, que não detectou qualquer lesão grave. No dia seguinte, Vicioso foi o segundo no duríssimo circuito de Rebordosa e no final da quarta etapa cotava-se como o nono classificado da geral final. Chegado a Espanha submeteu-se a exames para detectar a origem das dores que padeceu desde a queda na corrida portuguesa e foi-lhe detectada a fractura.

Ángel Vicioso irá agora ficar em repouso durante um mês, regressando depois aos treinos para preparar a Volta a Espanha. Trata-se da segunda paragem forçada de Vicioso em 2009, depois de o ciclista já ter fracturado uma clavícula, numa corrida argentina, em Janeiro.

5 thoughts on “Ángel Vicioso concluiu GP Rota dos Móveis com vértebra partida”

  1. Para que fique claro, e na sequência da notícia que saiu no jornal espanhol A Marca, aqui vai o pedido de rectificação que pedi à referida notícia: “Caros Senhores,
    Como responsável médico da corrida ciclista Paredes Rota dos Móveis, e porque considero que o conteúdo da notícia publicada em http://www.marca.com/2009/05/21/ciclismo/1242924395.html afecta a minha honra profissional, venho esclarecer que o ciclista Angel Vicioso com o dorsal 161 foi assistido ao km 168 da 2ª etapa, após queda, e nunca apresentando queixas no local referido na notícia. Não apresentava ferimentos visíveis. Após a etapa, não se dirigiu aos serviços médicos da prova para ser reavaliado. Nas duas etapas seguintes nunca pediu apoio médico ou se queixou de dores na região referida na notícia, pelo que acho incorrecto afirmar que “los médicos de la carrera no detectaron la rotura de la vertebra” e peço que façam a devida correcção.
    os meus cumprimentos,
    Marcos Miranda
    Médico especialista em Medicina Desportiva”

  2. A unica maneira que existe para detectar uma fractura vertebral é com o recurso aos exames de imagem. A não ser que o ciclista apresentasse sinais ou sintomas sugestivos (que não devia ser o caso senão com certeza que não teria continuado em prova) é que poderia levar á suspeita de de uma fractura vertebral que levasse ao comprometimento da mobilidade do atleta. certamente que é uma fractura alinhada sem lesão medular e nesse caso o ciclista teria apenas algumas dores (e quem pratica ou praticou ciclismo sabe que é natural haver dor após uma queda sem que necessariamente haja fractura), nesse caso o medico só com uma visão RX é que detectaria a fractura.. aqui ou em qualquer país do mundo!
    Vamos deixar de criticar o trabalho dos outros principalmente quando não temos conhecimento para dar opinião.

  3. engraçado…os médicos nas nossas provas, está sempre tudo NORMAL e NO SITIO!!!!! os ciclistas chegam aos hospitais mortos…
    vai se lá saber porquê!!!!!! ai é verdade é do doping.
    nas prov as “lá fora”, caiem de rabinas que mete medo, entram em coma sobrevivem com algumas limitações óptimo, até para detectar uma vertebra partida, um ciclista tem que chegar ao país dele para lhe detectarem a fractura. Desculpem-me os médicos mas algo anda aqui muito mal! ou então como existe só 2 ou 3 médicos em condições para este tipo de assistência e têem que chamar veterinários para o lugar, também…vai dar ao mesmo os “ciclistas” nem dão por ela, e têem um médico na prova.

Os comentários estão fechados.