Notícias … e desabafos

As opiniões dividem-se, as críticas aumentam e as incertezas são cada vez maiores. O Tour a coincidir com a segunda prova mais importante do Campeonato do Mundo( 20 de setembro) é coisa que não interessa a ninguém. Primeiro, porque afastará os melhores do Mundial, segundo porque quem o vencer, será sempre rotulado ter sido vencedor, sem os melhores, o que é sempre desconfortante.

Segundo, os Nacionais com data marcada para 22 e 23 de agosto, que já levou os belgas a abandonarem a ideia de realizar o seu BK ( Campeonato Nacional), porque estão interditos grandes eventos até 31 de agosto, e porque os 250 mil euros resultantes da sua organização, não serão obtidos senão existirem as receitas das festas realizadas ao longo da prova, onde os VIPS pagam e bem, para um dia de folia, e onde são proibidos “ajuntamentos “, que impedem a sua realização. Nos outros países, as datas soberbamente ocupadas pela UCI, não tiveram em conta os calendários das suas provas nacionais, o que é pena. Passemos à frente para outro problema.

Há no mundo do ciclismo, atualmente duas velocidades. Aqueles como os belgas, holandeses, portugueses que podem treinar na estrada, e os outros como os espanhóis, franceses e italianos que ficam confinados unicamente ao treino em rolos . Quando todos estiverem juntos, se é que o estarão em 2020, o pelotão poderá ter duas velocidades, daí a tão propalada necessidade dos ciclistas terem cerca de mês e meio de preparação para que todos corram em igualdade de circunstancias. Philippe Gilbert que habita no Mónaco, onde tem uma loja de bicicletas, tentou “fintar” a vigilância policial escolheu um circuito de cerca de dez kms e bem tentou refrescar a cabeça. Acabou multado em 100 euros e proibido de circular na estrada.

Outras preocupações passam pela cabeça de Tom Dumoulin, por exemplo, desabafou que não se vê a ganhar o Tour sem os habituais estágios de altitude, o que até se compreende dada a ausência de montanhas na Holanda…