Giro “limpo”

Bruseghin não estará no Giro'11.
Bruseghin não estará no Giro'11.

O início das grandes provas e a sua mediatização é normalmente acompanhada por campanhas de investigações de combate ao uso de matérias interditas, como o que está a acontecer em Itália pela Fiscalia de Mantova, e que está a provocar um terramoto de alta intensidade. Nunca sabendo se estas oportunas intervenções servem para descredibilizar a modalidade, ou se pelo contrário, para justificar publicamente as elevadas verbas gastas pelas diversas instancias que as executam.
Nomes famosos não alinharão, como medida de precaução para segurança de um Giro que se pretende “ limpo”. Assim desapareceram do mapa de inscritos nomes como Alessandro Ballan, Marzio Bruseghin, Mauro Santambrogio, Damiano Cunego, Marco Bandiera, Lorenzetto, Gavazzi .
O mesmo sucederá a Giuseppe Saronni, substituído nas funções de manager da Lampre – ISD, por Roberto Damiani que deixou a Omega – Lotto, com qual tinha contrato até final deste ano.
Mas também os directores desportivos da Lampre , Fabrizio Bontempi e Maurizio Piovani foram despedidos e não estarão no Giro.
Outro nome famoso que não alinhará, mas este por motivos bem diferentes, será o de Ivan Basso, a atravessar um mau momento de forma.
Giro2010 Ivan Basso

4 thoughts on “Giro “limpo””

  1. GIRO LIMPO ? SE FOSSE GIRO LIMPO NÃO METIAM O CONTADOR QUE É SUSPEITO DE BLÁ BLÁ BLÁ . E TAMBÉM O DANILO DI LUCA 😉 SELLA 😉

  2. já no ano passado era igual
    a lampre tá limpa admitam
    já foram ver a saxobank,por exemplo,esses ék vao ter de tomar mto pa acompanharem o navarro,o porte e o contador

    o bruseghin ia ser,pa mim,o lider da movistar limparam-no,ballan ia participar nada…..vao mas é “sujar”outros;estes tao limpos

  3. A julgar pelas transcrições de escutas publicadas na Gazzetta, este pessoal que esteve na Lampre de 2007 tem muito boas razões para ficar de fora do Giro. Já a investigação, parece-me que se está bem a borrifar para os ciclistas e para as equipas, querem é o peixe graúdo que está envolvido no tráfico e na consequente fuga aos impostos, e que vai do Dr. Ferrari para cima.

  4. É pena que assim seja e que isto pareça nunca ter fim. Ainda assim é do ciclismo que eu gosto de ver, e com percursos deste nivel como o que vamos ter este ano no giro, não me admiro nada é que não acredito em milagres. Mas isto entristece-me.

Os comentários estão fechados.