Jornalista do L’Equipe pressionado para não revelar casos de dopagem

O caso, não sendo novo, é recente. Em Dezembro do ano passado, o jornalista especialista em assuntos de dopagem do L’Equipe, Damien Ressiot, terá sido aconselhado pela proprietária do Grupo Amaury para refrear a cobertura do tema, limitando-se a reportar factos e a evitar novas denúncias, como a que o jornal francês deu à estampa em 2005, revelando a presença de EPO em amostras de urina congeladas de Lance Armsntrong respeitantes ao Tour 1999. Agora, o caso saíu da surdina, com a publicação de um comunicado na edição impressa do ‘Le Canard Echaîné’  , um jornal satírico semana de actualidade. Segundo o comunicado da Société des Journalistes (SDJ) do L’Equipe, cuja direcção é presidida pelo próprio Ressiot, a pressão existiu mesmo e reportou-se em concreto a Ressiot, o único de 300 jornalistas que escreve sobre o tema mas que, todavia, com o caso Armstrong terá dado a mais importante manchete do jornalismo naquele diário nos últimos anos.

“Foi expressamente pedido a Damien Ressiot de não reportar qualquer revelação de dopagem”, afirma o comunicado que alerta ainda para o conflito de interesses vigente entre o L’Equipe e as organizações da ASO (Volta a França, Paris-Dakar), ambas nas mãos do grupo Amaury.