Tour: Pelotão fortemente marcado pelas quedas [actualização]

Vande Velde perdeu muito tempo e está em dúvida para amanhã
Vande Velde partiu duas costelas e não alinha amanhã

Um homem com duas costelas partidas, outro com um osso do antebraço com fissura, um terceiro com o maxilar superior partido, gente com múltiplas feridas, mais ou menos profundas, pisaduras em grande quantidade. O que acabámos de descrever não é um relatório médico de um combate de vale tudo, são as lesões que já se conhecem, decorrentes das múltiplas quedas verificadas na segunda etapa da Volta a França, disputada nesta segunda-feira, entre Bruxelas e Spa, na Bélgica.

Abandonos certos há, para já, dois. Michael Delage (Omega Pharma-Lotto) partiu o maxilar superior e não chegou ao final da etapa. Este corredor esteve envolvido numa queda que não foi “a” queda da jornada. Essa aconteceu a cerca de 30 quilómetros da chegada, na descida do Stockeur, onde o piso molhado, a estrada estreita e algum combustível derramado por uma mota provocaram o caos e muitas lesões. Uma das mais graves é o cotovelo fracturado de Tyler Farrar (Garmin-Transitions) a de Christian Vande Velde (Garmin-Transitions), que terminou a tirada, mas, após visita ao hospital, já está confirmado como a segunda desistência decorrente da acidentada viagem de hoje.

A Garmin-Transitions foi, aliás, das equipas mais prejudicadas, já que cinco dos seus elementos tombaram e três tiveram de receber tratamento hospitalar. Chegou-se a temer uma fractura num cotovelo do sprinter Tyler Farrar, mas os exames desmentiram as piores previsões.

Os ferimentos de Alberto Contador (foto do twitter do ciclista)
Os ferimentos de Alberto Contador (foto do twitter do ciclista)

Entre os favoritos, Alberto Contador foi ao solo, mas as lesões são leves: escoriações e queimaduras no braço e na anca direitos. Lance Armstrong (RadioShack) engrossou o rol dos acidentados, mas o dano ficou-se por escoriações na anca. Mais azar teve o Robert Gesink (Rabobank), um dos corredores de quem se esperava que lutasse pelos postos cimeiros. O holandês fez uma fissura no cúbito do antebraço esquerdo e vai alinhar amanhã com uma ligadura e com uma forte dose de analgésicos. Robbie McEwen também teve de ser transportado ao hospital, após perda de sangue resultante de uma ferida profunda num cotovelo.

Grande parte do pelotão ficou com mazelas provocadas pelas quedas, pois não foram muitos os corredores que conseguiram fugir ao azar. A anormalidade da situação levou mesmo o pelotão a uma atitude de desportivismo que não agradou a todos: reduziu a velocidade para que os corredores que ficaram para trás devido a este incidente pudessem reentrar. Alberto Contador já disse que foi um dos ciclistas que pediram aos companheiros de equipa para não puxaram, pois apercebera-se de que Andy e Frank Schleck (Saxo Bank) estavam atrasados. A equipa dos irmãos luxemburgueses ainda não revelou quais as lesões dos dois chefes-de-fila. Andy terminou a etapa queixoso da mão e do antebraço esquerdos, ao passo que Frank apresentava dores e escoriações no braço direito.

Fontes: Cyclingnews e Biciciclismo

8 thoughts on “Tour: Pelotão fortemente marcado pelas quedas [actualização]”

  1. Great comment Sean Kelly. Qualquer dia protestam nas montanhas porque está muito calor.

  2. Vande Velde não devia reclamar. Já devia estar habituado ao alcatrão. Pelo menos esta ano fez bastantes estágios. Lembrou-se agora que andar de bicicleta a competir era perigoso.

  3. Protesto. OK. Até esperarem e demonstrarem fair play. Ok Agora circo e terrorismo à linha da meta. Estas primadonnas quase que parecem jogadores da bola. Desrespeito para quem ficou de fora. E para quem não faz a volta à França para a GC. Protestos OK. apurar o responsáveis. Circo não. Outra destas e desligo a tv.

  4. Mas o dia de amnhã deve ser pior.
    Quem ganhar este tou vai ser um homem muito completo!!!
    Visto que este tour tem:
    etapas de montanha, de pave, de médias subidas, enfim….
    Cada vez inventam mais…

  5. Foi muito mau. O Gesink e o Vande Velde já não contam e os Shlecks podem ir pelo mesmo caminho. Uma moto a derramar óleo para a estrada sem ninguém ter avisado os ciclistas não se percebe. Estampou-se tudo a 60kmph….

  6. Se estes corredores tiveram que abandonar irao dar tudo para vencer a vuelta, como é o caso de vandevelde ou o gesink (que azarado, ja lhe aconteceu no ano passado!!!)

Os comentários estão fechados.