Mosquera surpreendido pelo elevado nível da Volta ao Algarve

O galego Ezequiel Mosquera não esperava encontrar na Volta ao Algarve tanta dureza e corredores tão bem preparados. “Isso de ir às corridas para ganhar forma já passou à história. Houve um tempo em que esta prova portuguesa, tirando momentos muito pontuais, permitia estar relativamente tranquilo. Nesta edição foi uma loucura. Gente como Alberto Contador, Samuel Sánchez ou Levi Leipheimer estão já com um nível impressionante”, friso o corredor da Xacobeo Galicia.

Ezequiel Mosquera, por sua parte, optou por não chegar em grande momento à Volta ao Algarve. Com um problema semelhante ao das equipas portuguesas – prevê passar um período grande sem corridas para disputar -, fez o mesmo que os blocos lusos: apostou pouco na preparação prévia, para não “queimar” um bom momento de forma numa única corrida. O resultado desta opção foi muito sofrimento e o princípio de uma lesão.

O galego não alinhou no contra-relógio, a contas com dores no tendão de aquiles. “O problema pode ter resultado da chuva, do frio e/ou da mudança das calhas dos sapatos, porque não costumo sofrer de tendinites. A Volta ao Algarve deste ano teve um percurso muito duro e, ainda por cima, o tempo não ajudou. Era a minha primeira corrida do ano e num dos dias fui surpreendido, saindo atrás. Arrancou-se a mil por hora. Fui muito tempo a sofrer e comecei a sentir dores”, conta Ezequiel Mosquera.