João Lagos considera Benfica “projecto de altíssimo retorno para o ciclismo”

“Foi um projecto de altíssimo retorno para o ciclismo e para a marca Benfica, mas não para a organização João Lagos. em termos financeiros. Nós somos uma organização que procura o lucro. Se assim não for, morremos. Uma boa gestão é ter coragem de interromper projectos quando eles não são rentáveis”. Foi com estas palavras que João Lagos, patrão da empresa que colocou o Benfica nas estradas nas duas últimas épocas, fez o balanço do projecto, numa entrevista publicada ontem pelo jornal A Bola, na qual o dirigente confirma o fim da equipa.

João Lagos confessou que pretendeu dar o exemplo, tentando que o FC Porto e o Sporting também ressurgissem no pelotão. O empresário acredita que se os outros dois “grandes” tivessem seguido as pedaladas benfiquistas, talvez fosse possível o retorno financeiro que viabilizasse a continuidade das “águias”. Para o futuro, João Lagos não pensa voltar a fazer uma aposta semelhante, remetendo a responsabilidade para as agremiações: “Dei o exemplo, agora os clubes que metam mâos à obra”.

O doping foi também abordado na entrevista, com João Lagos a congratular-se com o exemplo da equipa do Benfica que despediu dois ciclistas – Sérgio Ribeiro e Jose Pecharroman – que acusaram positivo em controlos antidopagem. “Lidámos bem com um ou outro caso relacionado com os problemas que sabemos que afectam a modalidade. Actuámos de forma exemplar, penso que deixámos uma boa imagem”, sublinha o empresário.

Foto: PAD/JLS