Jörg Jaksche cobra um euro de salário

O alemão Jörg Jaksche, um dos raros nomes citados na Operação Puerto que confessou a dopagem e que foi suspenso por isso, regressa ao pelotão em 2009, nas fileiras da Cinelli-OPD. De acordo com a publicação germânica Sueddeutsche Zeitung o antigo ciclista de Manolo Saiz vai cobrar um euro de ordenado mensal. “Se fosse necessário até corria sem receber, mas tenho de ser eu a decidir quando abandono o ciclismo”, salientou o correrdor, que, à semelhança dos que confessam a participação em esquemas de dopagem, teve dificuldades para encontrar colocação, cumprida que foi a pena.

Patrik Sinkewitz é outro ciclista alemão que confessou ter-se dopado ao longo de vários anos seguidos e que também é notícia por estes dias. No caso do antigo profissional da T-Mobile, a revista Focus germânica revela que Sinkewitz incriminou Andreas Klöden – actual colega de Contador, Armstrong e Paulinho na Astana – nos depoimentos que prestou perante as autoridades. Aquele magazine de informação geral indica que Sinkewitz apontou o antigo companheiro como um dos corredores que participou num esquema de dopagem organizado, no seio da equipa, na preparação do Tour de 2007. Tal como Jörg Jaksche, também Patrik Sinkewitz não teve a vida facilitada para regressar ao activo e também não irá fazê-lo numa equipa de topo, fazendo parte dos planos do conjunto checo PSK-Whirlpool para 2009. Entretanto, Sinkewitz já veio a público negar ter indicado nomes de antigos companheiros, garantindo que apenas falou do seu caso específico.