Scott-Marcondes César aposta no calendário americano

Conquistar a América e depois descobrir a Europa é o plano da equipa
Conquistar a América e depois descobrir a Europa é o plano da equipa

A equipa brasileira Scott-Marcondes César, grande surpresa no lote de formações com estatuto Continental Profissional, vai apostar, essencialmente, no calendário continental americano. Apesar de a licença atribuída pela União Ciclista Internacional ser um passo importante para entrar em algumas das melhores provas europeias, os brasileiros querem crescer de forma sustentada. A opção tem como base a pouca expressão do ciclismo brasileiro. A prová-lo está o facto de a Scott-Marcondes César ainda não ter conseguido participar em nenhuma competição do circuito continental americano, que começou no mês passado.

Para o futuro, devido ao estatuto Continental Profissional, o cenário já é diferente. “Pedimos convites para a maioria dessas provas [futuras corridas continentais] e todos os que pedimos já foram aceites”, esclarece o director-desportivo, José Carlos Monteiro, conhecido pela alcunha de “Carlinhos”.

A estreia da Scott-Marcondes César depois de ter saltado para a ribalta internacional será na Copa das Américas, corrida nacional brasileira, marcada para 3 de Janeiro. A primeira participação no calendário internacional americano vai acontecer no Tour de San Luis, Argentina, entre 18 e 24 de Janeiro.

Apesar de o foco estar apontado, sobretudo, para o continente americano, a equipa brasileira irá tentar atravessar o Atlântico ainda em 2010. “A nossa prioridade é o calendário das Américas, queremos fazer uma coisa de cada vez, mas em 2010 já estaremos participando em provas na Europa, como experiência. Temos muito que aprender ainda, mas sabemos que num futuro bem próximo poderemos estar entre as melhores equipes das Américas e depois vamos pensar em competir  na Europa com mais frequência”, antecipa Carlinhos.

3 thoughts on “Scott-Marcondes César aposta no calendário americano”

  1. Espero realmente pelo crescimento da equipe em 2010, a começar pelo Tour de San Luis, agora era a hora das empresas brasileiras investirem no ciclismo, acho que algumas agora vão entender o tamanho do ciclismo e o retorno que pode dar a empresa, vejamos exemplos de outras equipes que são muito conhecidas principalmente pelo nome e a visibilidade que o patrocinador ganhou, algumas mesmo não existindo mais, ainda podem ser lembradas com facilidade.

  2. Um país sem tradição no ciclismo em GRANDE EVOLUÇÃO e Portugal com tanta tradição, EM QUEDA LIVRE!!

  3. olha era uma ekipa k organização da volta poderia convidar, pk nao?, uma oportunidade, nunca se sabe!

Os comentários estão fechados.