Equipas espanholas boicotam Andalucia e Murcia

Caminho da vitória de Denis Menchov no Giro 2009 passou por Murcia
Caminho da vitória de Denis Menchov no Giro 2009 passou por Murcia

A Volta a Andalucia a Volta a Murcia, duas provas com pergaminhos no calendário espanhol, arriscam-se a não ter nas suas estradas cinco equipas do respectivo pelotão nacional, as três formações ProTour – Caisse d’Epargne, Euskaltel Euskadi e Footon-Servetto, a que acrescem ainda a Andalucia-Caja Sur e a Xacobeo-Galicia. Em causa está a subscrição de um convénio entre a Associação Espanhola de Organizadores de Corridas Ciclistas (AEOCC) e a Associação de Equipas, que determinam anualmente as condições de participação das corridas do calendário espanhol. A Deportinter (Volta a Andalucia) e o Clube Murciano (Volta a Murcia) não assinaram o acordo, limitando-se a aplicar as normas da Federação Espanhola e da União Ciclista Internacional.

Em protesto, as cinco formações citadas não formalizaram a inscrição para estas corridas tendo a Andalucia-Caja Sur sido a excepção ao alinhar, por compromissos assumidos com o patrocionador, na Volta a Andalucia, que se desenrola na região onde está sediada.

O desentendimento entre organizadores e equipas é relativamente frequente no pelotão internacional, tendo por base a falta de acordo nas “diárias” estipuladas. Em Portugal, além de fixadas em regulamento as “ajudas” das equipas Continentais em corridas nacionais as equipas, por definição, são obrigadas a competir nas provas do calendário FPC, tal como os organizadores são “obrigados” a convidar as mesmas para as suas corridas.

A ausência destas formações do pelotão da Volta a Andalucia (21 a 25 de Fevereiro) e da Volta a Murcia (3 a 7 de Março) não afecta a participação das três equipas continentais espanholas – Orbea, Burgos Monumental e Caja Rural – tal como poderá ser aproveitada para a presença de formações forasteiras, nomeadamente portuguesas. Em 2009, a Volta a Murcia, teve a participação da Liberty Seguros.