Directo 3ª etapa Volta a Portugal: Trancoso – Sr.ª da Graça, 158,1 km

CLASSIFICAÇÕES
4ª Etapa: Trancoso – Senhora da Graça, 158,1 km
Média: 38,1 km/h
1º João Cabreira (CC Loulé-Louletano-Aquashow), 4h09m07s
2º Nuno Ribeiro (Liberty Seguros), mt
3º André Cardoso (Palmeiras Resort-Prio-Tavira), a 39s
4º Nelson Vitorino (Palmeiras Resort-Prio-Tavira), a 43s
5º Patrik Sinkewitz (PSK Whirlpool-Author), mt
6º David Bernabeu (Barbot-Siper), mt
7º Ruslan Pidgornyy (ISD-Nery), a 1m00s
8º Hugo Sabido (LA-Paredes Rota dos Móveis), a 1m09s
9º Damiano Cunego (Lampre-NGC), a 1m25s
10º vergílio Santos (LA-Paredes Rota dos Móveis), a 1m49s

Geral Individual
1º Nuno Ribeiro (Liberty Seguros)
2º João Cabreira (CC Loulé-Louletano-Aquashow), a 2s
3º David Bernabeu (Barbot-Siper), a 46s
4º Ruslan Pidgornyy (ISD-Nery), a 59s
5º Hugo Sabido (LA-Paredes Rota dos Móveis), a 1m02s
6º André Cardoso (Palmeiras Resort-Prio-Tavira), a 1m11s
7º Patrik Sinkewitz (PSK Whirlpool-Author), a 1m22s
8º Nelson Vitorino (Palmeiras Resort-Prio-Tavira), a 1m34s
9º Damiano Cunego (Lampre-NGC), a 1m48s
10º David Blanco (Palmeiras Resort-Prio-Tavira), a 1m49s
João Cabreira vence a etapa. Nuno Ribeiro nem sprintou.

João Cabreira já fecha o equipamento, parece ter intenções de comemorar a vitória. Nuno Ribeiro sempre na roda. Atrás ataca David Blanco com resposta de Rubén Plaza e Tiago Machado.

Cabreira e Ribeiro dentro do último quilómetro.

Cândido Barbosa perde o contacto com o grupo liderado por Tiago Machado.

Grupo liderado por Tiago Machado perde tempo para os dois da frente: A diferença é de 2m30s, quando Cabreira e Nuno Ribeiro estão a 2 quilómetros do final.

André Cardoso e David Bernabeu já foram alcançados pelos homens que haviam deixado para trás. Na dianteira, só Cabreira puxa. No grupo do camisola amarela é Tiago Machado que trabalha.

Nuno Ribeiro e João Cabreira têm 44 segundos sobre Bernabeu e André Cardoso. Grupo dos favoritos comandado por Tiago Machado a 2m14s.

Na perseguição ao duo da frente arranca David Bernabeu com André Cardoso na roda.

O duo da dianteira está a 3 quilómetros da meta.

Os dois da frente a 4 quilómetros da chegada. O grupo comandado por Tiago Machado a 2m12s. Só o jovem boavisteiro trabalha ali. Todos os outros têm colegas de equipa adiantados.

Na frente é João Cabreira que impõe o ritmo.

Cabeça de corrida: João Cabreira e Nuno Ribeiro. Grupo comandado por Tiago Machado a 2m25s.

Pedro Lopes espera para ajudar João Cabreira. Dois do CC Loulé-Louletano-Aquashow contra um da Liberty Seguros, Nuno Ribeiro.

André Cardoso vai à procura de Nuno Ribeiro e João Cabreira. É Tiago Machado, sozinho, que puxa no grupo de Cândido Barbosa.

Não tarda, Lopes tem a companhia de Cabreira e Ribeiro.

Pedro Lopes tem 45 segundos sobre o duo perseguidor. Grupo de Cândido Barbosa, liderado pela Madeinox-Boavista a 3m06s.

João Cabreira ataca e destaca-se. Só Nuno Ribeiro aguenta a pedalada. Vão os dois no encalço de Pedro Lopes.

Damiano Cunego cede a nova investida de Hugo Sabido.

Entre os candidatos, Hugo Sabido ataca e Bruno Pires fica para trás, com a ajuda de Hélder Oliveira.

Km 150: Pedro Lopes já está na subida final. Primeiro grupo de favoritos a 1m48s. Grupo de Cândido Barbosa a 3m43s.

Km 147,1: Pedro Lopes a 10 quilómetros da chegada. Primeiro grupo de favoritos já integrou a maior parte dos homens que entraram na fuga do dia e está perto dos cinco que resistem. O grupo do camisola amarela está a 4m26s de Lopes e a cerca de 1m50s do grupo em que seguem os principais adversários.

Km 146,5: Pedro Lopes já atravessou Mondim de Basto, vencendo ali a meta volante. O segundo foi Oleg Chuzhda e o terceiro Sergio Lagana.

Km 141: Pedro Lopes isolado. Grupo de Nuno Ribeiro a 3m02s. Grupo do camisola amarela, Cândido Barbosa, a 4m48s.

Km 139: Pedro Lopes tem 3m15s de vantagem sobre o primeiro grupo de favoritos e 5m00s sobre o grupo onde trabalham os boavisteiros. pelo meio há grupos intermédios.

A Liberty Seguros atacou com corredores, teoricamente, de segunda linha e levou consigo os dois homens de trabalho na montanha do Palmeiras Resort-Prio-Tavira. Com eles seguiram os líderes do CC Loulé-Louletano-Aquashow, da Barbot-Siper, da Lampre-NGC, da PSK Whirlpool-Author, da LA-Paredes Rota dos Móveis e da ISD-Neri. Só a Madeinox-Boavista foi surpreendida e está de mãos atadas. Por isso, Sérgio Sousa que estava em fuga espera pelo grupo de Tiago Machado e restantes favoritos para trabalhar. A corrida está lançada e poderá dar-se um golpe de teatro surpreendente neste tirada.

A diferença entre os dois grupos de candidatos começa a ser significativa, aproximando-se dos dois minutos. Aqueles que em teoria seriam os grandes candidatos estão no grupo de trás. O Palmeiras Resort-Prio-Tavira ajuda os boavisteiros, já que os seus dois líderes ficaram para trás.

Km 125: Pedro Lopes (CC Loulé-Louletano-Aquashow) isolado. Além dos vários perseguidores que resultam da fuga inicial, o grupo de Nuno Ribeiro rola a 3m50s. O grupo do camisola amarela, comandado pela Madeinox-Boavista, que não tem qualquer corredor com Nuno Ribeiro e companhia, está a 5m34s da frente de corrida.

Ordem de passagem no Alvão:1º 56 Pedro Lopes(Loulé)

1º Pedro Lopes (Loulé)

2º Oleg Chuzhda(Contetpolis)
3º Sérgio Ribeiro(Barbot)
4º Celestino Pinho(LA)
5º Sérgio Sousa(Madeinox)
6º Hélder Oliveira(Barbot)
7º Carlos Nozal(Liberty)
8º Tomas Buchacek(PSK)
9º Pedro Hermida(Xacobeo)
10º Marco Marzano(Lampre)

No grupo de Nuno Ribeiro não está Eladio Jiménez, é Daniel Silva o homem do CC Loulé-Louletano-Aquashow que acompanha João Cabreira. Eis os principais elementos deste grupo: Isidro Nozal, Nuno Ribeiro (Liberty Seguros), João Cabreira e Daniel Silva (CC Loulé-Louletano-Aquashow), Nelson Vitorino e André Cardoso (Palmeiras Resort-Prio-Tavira), Hugo Sabido e Vergílio Santos (LA-Paredes Rota dos Móveis), Bruno Pires e David Bernabeu (Barbot-Siper), Damiano Cunego (Lampre-NGC), Patrik Sinkewitz (PSK Whirlpool-Author), Ruslan Pidgornyy (ISD-Neri).

Km 121,1: Pedro Lopes passa sozinho no alto do Alvão. No grupo do camisola amarela trabalham Danail Petrov e Santiago Pérez (Madeinox-Boavista), já que a equipa foi surpreendida e não colocou qualquer elemento no grupo de Nuno Ribeiro.

Km 119: Pedro Lopes a pouco mais de dois quilómetros ao alto do Alvão. No pelotão, Isidro Nozal (Liberty Seguros) atacou e levou consigo alguns homens importantes: Nuno Ribeiro, João Cabreira, Nelson Vitorino, André Cardoso, Hugo Sabido, Vergílio Santos, Bruno Pires, Damiano Cunego, David Bernabeu, Eladio Jiménez, Patrik Sinkewitz. O grupo de Cãndido Barbosa e de todos os mais fortes candidatos está cerca de meio minuto atrás.

Situação de Corrida: Pedro Lopes na frente. Oleg Chuzhda a 44 segundos. Carlos Nozal, Bruno Barbosa, Celestino Pinho, Sérgio Sousa, Sérgio Ribeiro, Hélder Oliveira, Marco Marzano, Javier Ramirez, Frédéric Amorison e Tomas Buchacek a 1m19s. Pelotão a 5m15s. Pelo meio estão os outros ciclistas que estiveram na fuga do dia.

Km 115: Pedro Lopes (CC Loulé-Louletano-Aquashow”  isolado na frente de corrida. Quinze perseguidores a 1m20s, com Sérgio Ribeiro a trabalhar neste lote de ciclistas. Pelotão a 6m30s com Filipe Cardoso (Liberty Seguros) a trabalhar com Nuno Ribeiro, da mesma equipa, na roda.

As rampas do Alvão fragmentam o grupo de fugitivos, mas também o pelotão. Entre os homens que já descolaram estão três ciclistas do Palmeiras Resort-Prio-Tavira. Más notícias para Cândido Barbosa e David Blanco.

A Liberty Seguros também acelera na frente do pelotão. Prevê-se espectáculo.

Km 113: As rampas em empedrado são duríssimas. Pedro Lopes sofre mas continua isolado. Pelotão a 6m57s. O grupo perseguidor está a fragmentar-se. Será interessante ver de que modo o pelotão vai encarar esta dificuldade. A Lampre-NGC toma conta da cabeça do pelotão e poderá tentar fazer mossa na subida.

Km 112: Pedro Lopes (CC Loulé-Louletano-Aquashow) deixa os dois companheiros de fuga para trás e pedala em solitário.

Km 111: O trio da frente inicia subida da Barragem do Alvão (1ª categoria). Os perseguidores estão a 55 segundos. Pelotão a 7m25s.

Km 110: No grupo original de fugitivos continuam os ataques e contra-ataques. Hão-de ser as rampas do Alvão a estabelecer a hierarquia na frente de corrida. A cabeça de corrida tem neste momento três homens. Pedro Lopes, Oleg Chuzhda e Cristian Benenati.

Na aproximação ao início da subida do Alvão, Pedro Lopes esta sozinho na frente, sendo perseguido a poucos metros de distância pelos dois homens que passaram atrás de si na meta volante de Vila Real. Pelotão a 7m07s da cabeça de corrida. As acelerações entre os fugitivos permitiram aumentar a diferença.

Km 107,4: Meta Volante Vila Real. Ordem de passagem: 1º Pedro Lopes (CC Loulé-Louletano-Aquashow), 2º Oleg Chuzhda (Contentpolis-Ampo), 3º Cristian Benenati (ISD-Neri).

José Toribio (Andalucia-Cajasur) também se juntou à cabeça de corrida. Ainda será necessário esperar alguns quilómetros para perceber de que forma e com que composição o grupo irá estabilizar.

Km 102: Na dianteira estão Carlos Nozal (Liberty Seguros), Hélder Oliveira (Barbot-Siper), Oleg Chuzhda (Contentpolis-Ampo) e Tomas Buchacek (PSK Whirlpool-Author). Veremos se fica por aqui ou se do grupo inicial de escapados mais alguém se junta ao quarteto. Sérgio Sousa (Madeinox-Boavista) teria todo o interesse em marcar em cima Helder Oliveira.

A próxima meta intermédia é a meta volante instalada em Vila Real ao quilómetro 107,4. Na frente há movimentações e o grupo de 17 desfez-se.

Sérgio Ribeiro (Barbot-Siper) acelerou a corrida na subida para tentar lançar Hélder Oliveira. O trabalho de Ribeiro fez a diferença para o pelotão subir. Está em 6m12s, a menos de 60 quilómetros do final.

Km 99: Prémio Montanha Alto da Cumieira, 3ª categoria. Ordem de passagem: 1º Celestino Pinho (LA-Paredes Rota dos Móveis), 2º Sérgio Sousa (Madeinox-Boavista), 3º Hélder Oliveira (Barbot-Siper). O homem do Boavista distanciou-se mais um pouco do principal concorrente pela camisola verde.

Aproxima-se a passagem de montanha no alto da Cumieira, terceira categoria. Vai ser dura a luta no grupo de fugitivos. Estão lá os maiores interessados na classificação dos trepadores.

Km 98: Confirma-se a desistência de Oscar Gatto devido a queda. Pelotão a 5m40s dos fugitivos.

Km 97: Queda no pelotão. Entre os acidentados estava João Benta (Madeinox-Boavista), que rapidamente retomou a marcha. Em pior estado, sentado no chão, agarrado à clavícula, ficou Oscar Gatto (ISD-Neri).

Km 95: A diferença mantém-se em torno dos 5 minutos, com ligeiras oscilações para cima e para baixo. Na cabeça do pelotão continua a equipa de Tavira. Recordamos a constituição do grupo de fugitivos: Carlos Nozal (Liberty Seguros), Bruno Barbosa e Celestino Pinho (LA-Paredes Rota dos Móveis), Sérgio Sousa (Madeinox-Boavista), Sérgio Ribeiro e Hélder Oliveira (Barbot-Siper), Pablo de Pedro e Pedro Lopes (CC Loulé-Louletano-Aquashow), Marco Marzano (Lampre-NGC), Cristian Benenati (ISD-Neri), Sergio Lagana (LPR Brakes-Farnese Vini), Oleg Chuzhda (Contentpolis-Ampo), Pedro Hermida (Xacobeo Galicia), JavierRamirez e José Toribio (Andalucia-Cajasur), Frédéric Amorison (Landbouwkrediet-Colnago) e Tomas Buchacek (PSK Whirlpool-Author).

Km 88: Ao fim de duas horas de corrida, a média da etapa cifra-se em 44 km/h.

Km 83: Com a beleza do rio Douro e das suas margens como pano de fundo, os fugitivos pedalam com uma vantagem de 5m39s sobre o pelotão.

Os corredores estão bastante adiantados em relação ao melhor horário previsto. A velocidade é muita e a média elevada. Foi de 46,9 km/h na primeira hora de corrida. Decorre a segunda hora e não se prevê que baixe por aí além.

K m 80: A descida da diferença foi circunstancial e voltou agora a subir: 5m35s.

Km 69,3: Na meta volante começou a diminuir a diferença entre o pelotão e os 17 em cabeça de corrida: 5m05s

Km 69,3: Meta Volante Lamego. Ordem de passagem: 1º Pedro Lopes (CC Loulé-Louletano-Aquashow), 2º Pablo de Pedro (CC Loulé-Louletano-Aquashow), 3º Marco Marzano (Lampre-NGC).

Km 56,4: Pelotão não persegue. Diferença trepa para 5m40s.

Hélder Oliveira (Barbot-Siper), 24º à partida, a 52 segundos da liderança, é o mais bem posicionado dos fugitivos. No pelotão comanda o Palmeiras Resort-Prio-Tavira.

Km 52: Pelotão a 2m42s da frente de corrida.

Km 46,9: Na primeira hora de corrida percorreram-se 46,9 quilómetros. É de esperar que a situação agora estabilize e que o pelotão comece a ceder terreno para os fugitivos.

Só a equipa do camisola amarela não está representada nesta fuga, onde se incluem os três homens que mais têm lutado pela classificação da montanha: Sérgio Sousa, Hélder Oliveira e Oleg Chuzhda.

Km 45: 17 homens em cabeça de corrida com vantagem de 1m40s. Os fugitivos são Carlos Nozal (Liberty Seguros), Bruno Barbosa e Celestino Pinho (LA-Paredes Rota dos Móveis), Sérgio Sousa (Madeinox-Boavista), Sérgio Ribeiro e Hélder Oliveira (Barbot-Siper), Pablo de Pedro e Pedro Lopes (CC Loulé-Louletano-Aquashow), Marco Marzano (Lampre-NGC), Cristian Benenati (ISD-Neri), Sergio Lagana (LPR Brakes-Farnese Vini), Oleg Chuzhda (Contentpolis-Ampo), Pedro Hermida (Xacobeo Galicia), JavierRamirez e José Toribio (Andalucia-Cajasur), Frédéric Amorison (Landbouwkrediet-Colnago) e Tomas Buchacek (PSK Whirlpool-Author).

Km 41: Já foram percorridos mais de 40 quilómetros e ainda não chegámos à primeira hora de corrida. O ritmo é violente e promete continuar assim até que vingue uma fuga. Um início de jornada que pode deixar marcas para a fase mais complexa da etapa.

Km 32,5: A iniciativa de Petacchi e companhia já foi anulada, assim como todas as outras que se têm sucedido. Os contra-ataques têm anulado as ofensivas anteriores e o pelotão segue estirado e a alta velocidade. Um início de etapa frenético.

Km 24: Atacam Alessandro Petacchi e Roberto Ferrari (LPR Brakes-Farnese Vini) e Iban Mayoz (Xacobeo Galicia).

Km 15: O trabalho da Lampre resultou e o pelotão rola de novo compacto.

Km 8: Já são 17 os homens em cabeça de corrida. A Lampre-NGC, sem ninguém na escapada, imprime um ritmo vivo no pelotão, não deixando que a frente de corrida se distancie.

Km 3: Um grupo de sete corredores deixa o pelotão para trás.

Km 0: Foi dada a partida real para a quarta etapa da 71ª Volta a Portugal. Alinharam os 120 corredores que concluíram a jornada de ontem. Antes da partida simbólica, a caravana rendeu homenagem ao actor Raul Solnado, que ontem faleceu.

9.08: 4ª etapa, Trancoso – Alto da Sra. Graça, 158,1 km
Nos últimos anos, a etapa da Senhora da Graça substituíra a tirada da Torre no estatuto de etapa-rainha. Isso não sucedia devido à escalada ao Monte Farinha, mas sim pelo percurso anterior, pejado de contagens de montanha de primeira e segunda categoria. Em 2009 as dificuldades prévias ao “cone” de Mondim de Basto resumem-se à passagem na Barragem do Alvão. Uma etapa que oferece menos condições aos trepadores para fazerem a diferença do que em anos anteriores.
Altitude/Local/Km percorridos/Km a percorrer/Hora
810 Partida: Campo da Feira  0 158,1 12h55
495 Meta Volante: Lamego 69,3 88,8 14h54
169 Início subida 93,5 64,6 15h32
452 PM 3ª Cat. Alto da Cumieira 99,9 58,2  15h42
440 Meta Volante: Vila Real 107,4 50,7 15h54
450 Borbela: Início subida 111,8 46,3 16h01
1086 PM 1ª Cat. Barragem do Alvão 121,1 37 16h16
220 Meta volante: Mondim de Basto 146,5 11,6 16h56
302 Início subida 149,8 8,3 17h01
940 Meta Srª. da Graça / PM 1ª Cat. 158,1 0 17h14

21 Comments

Comments are closed.

  1. 1ª etapa a serio o Pires prometeu tanto e falhou, não tem estofo de LIDER

  2. a todos os atletas parabens subir a senhora da graça ao fim de 170km não e façil.FELIÇIDADES AO JOÃO E AO NUNO que seija portues a vencer a volta-mas o tiago esteve mal informado duramte a etape[desca-sem bem] obrigado pelo espetacolo que derão hoje

  3. Enganei-me no comentário anterior e chamei Hélder Miranda ao Hélder Oliveira. O seu a seu dono!

  4. POSITIVO:

    João Cabreira – Que grande corredor! O meu favorito para esta volta! Força João! Depois de tudo o que te fizeram, ninguém te pode parar!

    Pedro Lopes – Excelente etapa deste ciclista experiente

    Sérgio Ribeiro – Por causa de vários azares não tem brilhado nos finais de etapa, mas hoje fez uma etapa brilhante, trabalhou (e muito) para o Hélder Miranda e ainda fez grande parte da descida na frente do grupo Cabreira/Ribeiro, ajudando o Bernabéu a ficar em 3º.

    Nuno Ribeiro – Será que está de voltas as grandes vitórias? Esperemos que sim, é bom vê-lo de novo de amarelo.

    Loulé – “Quem não tem cão, caça com gato!” Não podem controlar a corrida, assumindo a frente do pelotão, então fizeram-no às prestações: Cabreira leva Daniel Silva com ele (uma surpresa agradável) e depois ainda estava lá o Pedro Lopes para dar uma ajudinha. A equipa justificou todo o esforço dos patrocinadores e do município para levar esta equipa para a estrada.

    Liberty – Aquilo parecia ser mais um dos equívocos tácticos de Américo Silva a escolher atacar com o homem errado (como já fez noutros anos) resultou na conquista da “Amarela” e revelou-se a escolha acertada, pois Plaza não conseguiu acompanhar Blanco até ao fim e Guerra “estourou”. Boa escolha de Américo Silva.

    Cunego – Para quem ainda não está em forma, foi uma boa etapa.

    André Cardoso – Excelente parte final.

    Tiago Machado – assumiu a frente do pelotão e ainda teve forças para tentar acompanhar o Blanco.

    David Blanco – guardou-se para o final e atacou no momento certo. Dos “Favoritos” é o melhor colocado. Mas o que significa os “Favoritos” nesta altura da corrida?

    Barbot – Sempre e destaque. Nota: David Bernabéu e Carlos Pinho (velhos são os trapos!)

    Paredes – Bom desempenho de Hugo Sabido e Vergílio Santos

    NEGATIVO:

    RTP – fazer um intervalo quando estamos no início da subida para a Sra. da Graça é uma falta de respeito pelos espectadores e contribuintes!

    Madeinox Boavista – José Santos mandou recuar o Tiago Machado, porque não havia favoritos no grupo da frente!?!? Muito má leitura… Que ele não conheça o Pidgorny e o Sinkwitz, ainda vá, agora, Cunego, Ribeiro, Cabreira, Pires, Bernabéu… não são favoritos!? Muito mal o Boavista… Não só não permitiu o Tiago acompanhar o grupo, como desgastou a equipa ao lutar pela camisola verde e depois quando necessitava de apoiar o Tiago, já ninguém tinha pernas. A julgar pelo trabalho que o Tiago fez no grupo onde vinha, se ele tivesse acompanhado o outro grupo a história da etapa poderia ter sido diferente.

    Hector Guerra – É um grande campeão, mas a “Volta” parece não ser a sua corrida, há todos anos qualquer coisa que não lhe corre bem. Mas ainda falta muita volta e com um ciclista deste nível nunca sabemos o que pode ainda vir…

    Bruno Pires – Não conseguiu manter-se no grupo da frente, foi pena. Pois, a certa altura, pensei que ira chegar na frente o trio: Pires-Cabreira-Ribeiro (um trio português na discussão da volta seria lindo!). Mas não é por isso que deixa de ser um grande ciclista.

    Ainda há muita volta para percorrer e a Torre e o C/R de Viseu vão fazer muita moça e alterar bastante a Geral Individual. Mas a vantagem que o Nuno Ribeiro e o João Cabreira ganharam é bastante interessante. Mas temos “Volta” depois deste espectáculo a que assistimos hoje e seguramente que até à Torre ainda existirão bastantes ataques, pois a corrida está ainda muito aberta!

    Para terminar: Força João Cabreira!

  5. PARABÉNS ao Cabreira e ao Nuno Ribeiro…já faltava uma etapa da Srª da Graça assim mesmo, clássica, sem o mesmo sabor insabido e calculista dos últimos anos onde só valiam os últimos 500 metros. Acho que o Cabreira mandou grande lambada de luva branca a muitos pseudo-entendidos (salvo-sejam) do ciclismo português e o Nuno perfila-se (a meu ver) como o grande favorito (se o Américo Silva não inventar de novo). Tive pena do Tiago que tem um director desportivo que lhe terá (a avaliar pela sua flash-interview) ceifado um melhor resultado.VIVA A VOLTA A PORTUGAL

  6. parabens joao cabreira. mereceste! sem duvida es um grande campeao! estamos contigo ate ao final da volta!

  7. parabens a andre cardoso grande corrida, grande corrida do paredes 2 nos primeiros 10 as equipas ditas pequenas tb estao na volta força bruno barbosa

  8. Nelson Pena ROMANDO

    Cabreira!!! Que dia feliz… fantástico pah!!! sabes que mais? EU ACREDITO!!!!

  9. grande etapa de ciclismo, com ganhadores e perdedores, se como grandes ganhadores na etapa temos cabreira e ribeiro, como perdedores temos candido, guerra, machado e plaza…mas como equipas temos como grande derrotada a madeinox q sem duvida claudicou e viu tiago cair na geral, enquanto q as outras equipas pretençamente favoritas, perderam uns, mas colocaram na geral outros ciclistas, q até agora n eram dados como candidatos.

  10. Flávio Gomes

    parabens Joao Cabreira.. sem duvida és um campeao!!!

  11. Aí está espectáculo ao vivo e a cores.

    Parabens Cabreira, derreteste-os!. Parabéns ao Daniel Silva, que faz a sua primeira Volta e que foi incansável em prol do líder. Parabéns Loulé, por mostrarem aos grandes que tudo é possível!

  12. Como é q uma equipa q diz ter pretenções de vencer a volta, pode ter um treinador q durante a etapa diz q o grupo de fugitivos n tem candidatos (referindo-se ao grupo onde seguiam entre outros, joão cabreira, nuno ribeiro, cunego, barnabeu, sabido, pires e companhia,lda.), a ver vamos se é recuperável o atraso q leva tiago machado…n me parece…mas onde andavam os colegas de equipa?????Parabens cabreira

  13. Eu não dizia ? J.C.
    o ano passado não foi também um J.C. que ganhou ? JC pois claro.

  14. Grande etapa que está a fazer o Daniel Silva!
    ADORAVA ver o João Cabreira cortar a meta em 1º!
    É sem dúvida o melhor trepador português!
    FORÇA, JOÃO!

  15. força bruno barbosa

  16. Eu também gostava que hoje ganhasse um João.

    Recordo, com orgulho, que foi o meu irmão, João Costa, um alentejano de Portalegre, na altura a correr pelo Campinense, de Loulé, o primeiro ciclista a vencer uma etapa da Volta na Sra da Graça, em 1978.
    Sempre que a Volta chega lá cima, escorre a lagriminha no olho. mas até hoje, ainda não consegui ir lá acima à capela.

    boa sorte para todos os ciclistas, em especial os “Joões”… e os alentejanos chaparros..

  17. Vamos ver como correm as coisas, mas gostava que a RTP tivesse oportunidade de mais logo perguntar ao João Cabreira

    - Como se sente depois de no ano passado ter sido impedido de participar na Volta a Portugal? Como se sentiu, no ano passado a ver esta etapa da Srª da Graça, sentado no sofá da sua casa?

    - Como se sente, depois de ter que mendigar a uma equipa para lhe dar a mão e conseguir estar a correr este ano?

    - Como se sente depois de ter sido impedido durante um ano de envergar a Camisola de Campeão Nacional em todas as provas, uma atrás de outra, sempre sem justificação… ah, por suspeição em dois processos em que foi absolvido e mais??

    - Como se sente depois de ter passado limpo em inúmeros controlos realizados este anos nas competições… por SORTEIO AH AH AH! – Como se sente de toda a humilhação que tem sido sujeito em todos os orgãos de comunicação social, sem se ter provado NADA?

    - Como se sente depois de ver destruída a sua antiga equipa da Póvoa e todos os companheiros afastados da modalidade, sem que nada se tenha provado, mais de um ano depois? FORÇA JOÃO CABREIRA mostra-lhes que o que não te destruíu, te fez mais forte. A tua família está contigo!!!

  18. sou capaz de apostar no Rui sousa (Liverty seguros)

  19. quem ganhará hoje na sr. da graça???? quero ver apostas????

  20. se bem me lembro, fiz esse percurso de automóvel há uns anos atrás em sentido inverso e fiquei com uma dor de cabeça desgraçada. é só curvas e contra-curvas, subidas e descidas, de Lamego para cima praticamente não há planos…

    dado que amanhã é dia de descanso bem se podiam hoje mostrar os verdadeiros candidatos ao ataque, não esperando pelo final da etapa, porque aí não resolvem nada. se quiserem fazer diferenças, terão que começar bem antes.