Volta a Portugal: Guia das etapas

O Jornal Ciclismo apresenta-lhe cada uma das etapas da 71ª Volta a Portugal, que se realiza de 5 a 16 de Agosto. Neste trabalho, damos a conhecer os locais de passagem, os horários da corrida e os gráficos de altimetria. Além disso, disponibilizamos um comentário a cada uma das tiradas, numa antevisão do que podem vir a ser os 11 dias de competição que se aproximam a pedaladas largas.

Etapas
5.08: Prólogo, Lisboa – Lisboa, 2,4 km (CRI)
prologo

Um prólogo que mal dá para aquecer. Vale mais pelo simbolismo de fazer regressar o ciclismo ao coração da capital do que pelo interesse desportivo. Atenção para evitar acidentes é aquilo que se pede aos favoritos, num traçado que, por natureza, não se presta a grandes diferenças de tempo. Os sprinters poderão ter aqui a possibilidade de “molhar a sopa”, suplantando os contra-relogistas que não terão distância suficiente para fazerem a diferença.

Altitude/Local/Km percorridos/Km a percorrer/Hora
40 Partida: Av.da Liberdade 0 2,4 17h27*
39 Cruzamento c/ Av. Alexandre Herculano 0,1 2,3 17h27
37 Cruzamento c/ Av. Barata Salgueiro 0,3 2,1 17h27
27 Cruzamento c/ R. das Pretas 0,8 1,617h27
16 Praça dos Restauradores – Inversão de marcha 1,2 1,2 17h28
27 Cruzamento c/ R. das Pretas 1,6 0,8 17h28
37 Cruzamento c/ Av. Barata Salgueiro 2,1 0,3 17h29
39 Cruzamento c/ Av. Alexandre Herculano 2,3 0,1 17h29
40 Meta: Av. da Liberdade 2,4 0 17h29
*Último corredor a partir

6.08: 1ª etapa, Caldas da Rainha – Castelo Branco, 228,7 km

A única tirada com mais de 200 quilómetros. O nervosismo da etapa inicial costuma fazer-se sentir a cada ano, o que, em algumas ocasiões, significa quedas com consequências importantes para os dias que se seguem. Os finalizadores terão aqui uma oportunidade para medirem forças. Os candidatos ao triunfo final têm obrigação de estar atentos e bem colocados, prevenindo acidentes de percurso.

Altitude/Local/Km percorridos/Km a percorrer/Hora
43 Partida: Comunidade Intermunicipal do Oeste 0 228,7 11h40
26 Meta Volante: Alpiarça 57,5 171,2 13h04
311 Meta Volante: Niza 164,5 64,2 15h40
152 Ponte – Ribeira Niza: Início subida 171,8 56,9 15:51
341 PM 3ª Cat. Vila  Velha de Ródão 176,7 52 15:58
105 Ponte: Início subida 183,5 45,2 16h08
324 PM 3ª Cat. Alto da Atalaia 192,6 36,1 16:21
398 1ª passagem Meta 209,2 19,5 16h46
386 Meta Volante: Castelo Branco 216,7 12 16h57
398 Meta: Av. das Palmeiras EN 3 228,7 0 17h14

7.08: 2ª etapa, Idanha-a-Nova – Guarda, 175 km

Um final de etapa em subida (3ª categoria) deve ser o bastante para afastar os sprinters das luzes da ribalta. Os pretendentes à camisola amarela final têm de estar na discussão da etapa, porque é quase certo que haverá cortes e porque a selectividade dos metros finais pode levar ao pódio e às sempre importantes bonificações.

Altitude/Local/Km percorridos/Km a percorrer/Hora
230 Partida: Av. Joaquim Morão 0 175 12h35
752 Meta Volante: Sabugal 71,2 103,8 14h34
636 Meta Volante: Pinhel – Rua 1º Maio 128,2 46,8 16h02
763 Meta Volante: Carvalhal 146,9 28,1 16h31
815 Guarda: Início subida 160 15 16h51
1004 1ª passagem Meta / PM 3ª Cat. 163,7 11,3 16h56
815 Guarda: Início subida 171,3 3,7 17h08
1004 Meta e PM 3ª Cat: Av. Dr. Afonso COsta 175 0 17h14

8.08: 3ª etapa, Fundão – Gouveia, 164,3 km

A dificuldade vai em crescendo. À semelhança da véspera, a chegada coincide com uma montanha de terceira categoria, que marcará o fim da jornada à segunda passagem pelo local. A diferença em relação à etapa anterior está na ascensão para as Penhas Douradas (1ª categoria), a cerca de 30 quilómetros da primeira passagem na meta. É um traçado que se presta a ataques de surpresa.

Altitude/Local/Km percorridos/Km a percorrer/Hora
470 Partida: Pc. Amália Rodrigues 0 164,3 12h55
598 Meta Volante: Belmonte 64,7 99,6 14h37
764 Meta Volante: Manteigas 92,1 72,2 15h20
768 Início subida 92,2 72,1 15h20
1390 PM 1ª Cat. Penhas Douradas 109 55,3 15h47
550 Meta Volante: S. Paio 140,4 23,9 16h36
588 Início subida 141,3 23 16h38
740 1ª passagem Meta / PM 3ª Cat. 144,6 19,7 16h43
588 Início subida 160,7 3,6 17h08
740 Meta: Frente Estádio / PM 3ª Cat. 164,3 0 17h14

9.08: 4ª etapa, Trancoso – Alto da Sra. Graça, 158,1 km

Nos últimos anos, a etapa da Senhora da Graça substituíra a tirada da Torre no estatuto de etapa-rainha. Isso não sucedia devido à escalada ao Monte Farinha, mas sim pelo percurso anterior, pejado de contagens de montanha de primeira e segunda categoria. Em 2009 as dificuldades prévias ao “cone” de Mondim de Basto resumem-se à passagem na Barragem do Alvão. Uma etapa que oferece menos condições aos trepadores para fazerem a diferença do que em anos anteriores.

Altitude/Local/Km percorridos/Km a percorrer/Hora
810 Partida: Campo da Feira  0 158,1 12h55
495 Meta Volante: Lamego 69,3 88,8 14h54
169 Início subida 93,5 64,6 15h32
452 PM 3ª Cat. Alto da Cumieira 99,9 58,2  15h42
440 Meta Volante: Vila Real 107,4 50,7 15h54
450 Borbela: Início subida 111,8 46,3 16h01
1086 PM 1ª Cat. Barragem do Alvão 121,1 37 16h16
220 Meta volante: Mondim de Basto 146,5 11,6 16h56
302 Início subida 149,8 8,3 17h01
940 Meta Srª. da Graça / PM 1ª Cat. 158,1 0 17h14

10.08: Dia de Descanso

11.08: 5ª etapa, Felgueiras – Fafe, 184,6 km

A ligação que culmina com a meta em Fafe também sofreu um corte de dureza em 2009. Apenas uma contagem de montanha, ainda no primeiro terço da jornada, remete para o suplício de outrora. Os sprinters em melhor momento não deverão ter dificuldades em acercar-se do risco final em condições de discutirem o triunfo. Isto se o pelotão não permitir uma fuga de homens sem pretensões à geral.

Altitude/Local/Km percorridos/Km a percorrer/Hora
465 Partida: Portas da Cidade 0 184,6 12h35
255 Meta Volante: Celorico de Basto 28 156,6 13h25
361 Início subida 54,7 129,9 14h05
966 PM 2ª Cat. Serra da Cabreira 65,4 119,2 14h20
420 Meta Volante: Arões 156,4 28,2 16h33
392 1ª passagem Meta 164,8 19,8 16h46
420 Meta Volante: Arões 176,2 8,4 17h02
392 Meta: Largo 25 Abril 184,6 0 17h15

12.08: 6ª etapa, Barcelos – Senhora da Assunção, 174,6 km

A Senhora da Assunção, em Santo Tirso, entrou definitivamente no mapa da Volta a Portugal. Pelo terceiro ano consecutivo, a dificuldade do Monte Córdoba está no cardápio. Surgindo em final de etapa sem ascensões anteriores que endureçam fortemente a corrida, não se espera que sejam marcadas grandes clivagens de tempo. Antevê-se, isso sim, mais uma jornada de luta velocipédica com a batalha pelo primeiro lugar a permanecer aberta, o que augura maior espectáculo para os dias que se seguem.

Altitude/Local/Km percorridos/Km a percorrer/Hora
77 Partida: 0 174,6 12:50
77 Meta Volante: Ponte da Barca 83 91,6 15h01
210 Esporões: Início subida 124,3 50,3 16h01
326 PM 3ª Cat. Balazar 128,9 45,7 16h08
212 Meta Volante: Guimarães 138,5 36,1 16h22
103 Meta volante: Santo Tirso 166,2 8,4 17h03
85 Início subida 168,1 6,5 17h06
470 Meta: Monte N. Sª. Da assunção / PM 2ª Cat. 174,6 0 17h15

13.08: 7ª etapa, Póvoa de Varzim – S. João Madeira, 161,8 km

São João da Madeira recebe a Volta sempre com banhos de multidão. A Volta costuma agradecer com espectaculares disputas entre sprinters. Também já sucedeu o sucesso das fugas. Como os melões, só depois de aberta se verá o que nos reserva esta ligação. Mas uma coisa é certa: salvo algum imponderável, não é tirada para preocupar os corredores que têm debaixo de olho a classificação geral. A excepção é Cândido Barbosa, que pode bem tentar amealhar segundos nas bonificações.

Altitude/Local/Km percorridos/Km a percorrer/Hora
0 Partida: Av. Descobrimentos 0 161,8 13h05
156 Início subida Agrela 34 127,8 14h08
336 PM 3ª Cat. Alto Agrela 37,6 124,2 14h13
237 Meta Volante: Rebordosa 51,2 110,6 14h33
238 Meta Volante: Castelo de Paiva 89,8 72 15h28
53 Início subida 108,9 52,9 15h55
260 PM 3ª Cat. Fagilde 114 47,8 16h02
222 1ª passagem Meta 133,2 28,6 16h30
238 Meta Volante: Oliveira de Azeméis 141 20,8 16h41
234 Início subida 150,9 10,9 16h55
381 PM 3ª Cat. Codal 154,1 7,7 17h00
222 Meta: Av. da Liberdade 161,8 0 17h11

14.08: 8ª etapa, Gondomar – Aveiro, 166,1 km

A chegada replica o final da primeira etapa do GP CTT deste ano. Então, a vitória sorriu a Manuel Cardoso (Liberty Seguros) numa empolgante luta metro a metro com Bruno Lima (Madeinox-Boavista). O boavisteiro não estará na Volta, mas Manuel Cardoso é bem capaz de ter mais oportunidade de entrar em despique com outros homens rápidos para decidir o vencedor da etapa.

Altitude/Local/Km percorridos/Km a percorrer/Hora
195 Partida: Pavilhão Multiusos 0 166,1 13h05
42 Meta Volante: Espinho 36,1 130 14h11
36 Meta Volante: Estarreja 76,8 89,3 15h09
63 Início subida 106,6 59,5 15h52
475 PM 3ª Cat. Talhadas 113,5 52,6 16h02
33 Meta Volante: Águeda 131,6 34,5 16h28
44 1ª passagem Meta 157,9 8,2 17h05
44 Meta: Parque Feiras e Exposições 166,1 0 17h17

15.08: 9ª etapa, Oliveira do Bairro – Torre, 154,6 km

Ao penúltimo dia temos a etapa-rainha da Volta a Portugal. A chegada à Torre, embora não se faça pela vertente da Covilhã, que é a mais dura, é sempre crucial. A subida de 28,5 quilómetros, pelo lado de Seia, é antecedida pela escalada ao Alto de Carrazedo, uma duríssima contagem de montanha de primeira categoria. Se a Volta não sair já praticamente decidida desta jornada, poucas serão as contas ainda em aberto.

Altitude/Local/Km percorridos/Km a percorrer/Hora
80 Partida: Câmara Municipal 0 154,6 13h00
186 Luso: Início subida 18,7 135,9 13h39
399 PM 3ª Cat. Luso 22,5 132,1 13h45
231 Meta Volante: Tábua 62,7 91,9 14h49
287 Meta Volante: Alvoco das Várzeas 91,9 62,7 15h35
313 Seia – Manteigas EN 338 Início subida 99,2 55,4 15h46
971 PM 1ª Cat.  Alto do Carrazedo 108,9 45,7 16h01
557 Meta Volante: Seia 124,1 30,5 16h25
528 Início de subida 126,1 28,5 16h29
1961 Meta: Torre PM Cat. Esp. 154,6 0 17h14

16.08: 10 etapa, Viseu – Viseu, 30,8 km (CRI)

A “prova da verdade” irá consagrar o vencedor da 71ª Volta a Portugal. O contra-relógio individual, em terras de Viriato, fará os acertos finais. Com um prólogo tão curto como o deste ano, especialistas têm de esperar pelo fim da festa para porem em prática as suas qualidades. Resta saber se aqui chegam com a condição física necessária para fazerem a diferença ou se o desgaste acumulado falará mais alto.

Altitude/Local/Km percorridos/Km a percorrer/Hora
450 Partida Av. Europa 0 30,8 16h40*
508 Moure de Carvalhal 7,2 23,6 16h49
627 Folgosa 10,5 20,3 16h53
588 Fermentelos 11,5 19,3 16h55
571 Lageosa 11,7 19,1 16h55
559 Quintãs 11,9 18,9 16h55
543 Bigas 12,9 17,9 16h56
595 Campo da Madalena 16,6 14,2 17h01
488 Orgens 22,4 8,4 17h09
437 Vildemoinhos 24 6,8 17h11
45 Meta: Av. Europa 30,8 0 17h20
*Último corredor a partir

16 comentários a “Volta a Portugal: Guia das etapas”

  1. quem foi o desgraçado que resolveu chamar a isto “volta a portugal” ?
    uma vergonha. mais parece um passeio turistico ora de bicicleta, ora de camioneta. que percorram todos os locais junto á fronteira e junto ao mar.

  2. Completamente de acordo sr Oscar Silva. Eu nem sei o que é melhor, se ganhar a volta no ultimo dia ou andar com a amarela envergada como anda o Nuno agora.

  3. O percurso e as estapas da Volta deste ano estão bem organizadas. No entanto, a Volta devia acabar com uma etapa dita de “consagração”, à semelhança da Volta a França. Não é justo que a Volta acabe numa etapa decisiva como é o Contra Relógio e até pode acontecer (como já aconteceu) que a Volta se decida essa etapa e o Vencedor da Volta (Camisola Amarela) nunca a envergue na Estrada. Portanto, devia de haver uma etapa de consagração ao Vencedor. Não é que sejamos “copiativos” mas devemos seguir os bons exemplos (que nem sempre são seguidos). Parabéns e já agora que ganhe um Corredor da LIberty Seguros.

  4. NUNO RIBEIRO É O MELHOR CICLISTA PORTUGUES SEM SOMBRAS. QUEREM FAZER OUTROS MELHORES MAS QUANDO COMEÇA A SUBIR O NUNO NAO DA CHANCES

  5. volta é um circulo completo sem interrupções. assim, é uma volta aos saltinhos.
    depois lá vão os motociclistas (e não só)de reportagem, largando os gazes dos motores para os ciclistas. claro que para ser “jornalista” basta saber ler e escrever, porque com a licenciatura em Jornalismo, poucos, muito poucos há.
    um abraço
    Pinfer

  6. vai lampre tu consegues vasta que queiras D.Cunego Tiralongo Mori e todos os outros só pesso uma coisa D.Cunego es bom trepador e estas etapas tenhem muitas montanhas vai em frente porque se não acreditares é serto e sabido que assim não ganhas. 🙂 🙂 🙂 na Serra da Estrela é que é bom pra tu ganhares 🙂 um abrço pra ti D.Cunego para o Tiralongo pra o Mori e para o resto da equipa

  7. apesar de ter muitas subidas candido barbosa ganhara pelo seu ecxlente resultado no ano passado na senhora da graça com um 8 lugar se consegui esse resultado na senhora da graça conseguira ainda melhor na serra estrela

  8. Só lamento que o prólogo tenha sido tão curto e a Volta não venha mais para sul. De qualquer forma espero q o Cândido termine, finalmente, com a amarela vestida.

  9. Uma prova só para trepadores, mesmo que nao seja bom em contra relogio tem muita subida para ganhar tempo.

Os comentários estão fechados.