Nomes fortes para o Tour de Flandres

Sem o Paris – Roubaix nos tempos mais próximos, a edição do Tour de Flandres ganhou uma maior dimensão, constituindo no chamado período da Primavera, o acontecimento velocipédico mais importante.

As principais equipas mobilizaram os seus melhores especialistas, mas sabe-se de antemão, que poucos serão os potenciais candidatos ao triunfo, Quem irá correr para ganhar ? Bom lá temos de começar pelo duo Van Aert e Van der Poel, ambos a darem uma imagem de alguma fragilidade, pelo menos em relação aos seus melhores momentos desta temporada. A época dos dois ciclistas já é muito longa, sempre na discussão dos melhores lugares, e é natural que não apresentem a mesma frescura de outros ciclistas, como por exemplo Alaphilippe, Van Avermaet, Peter Sagan, Mads Pedersen, Stuyben, Vanmarcke, nomes de uma primeira escolha, que com certeza veremos na linha da frente.

A Deceuninck, leader mundial neste momento, tem sido a equipa mais vencedora, conforme o sublinhou Patrick Lefevere, o manager da equipa:

A nossa força é o conjunto, o nosso maior trunfo neste tipo de corridas. Temos de garantir que Wout van Aert e Mathieu van der Poel sejam obrigados a perseguir e não o contrário. Não temos que temer ninguém no domingo,tendo em conta as nossas próprias forças. Van Aert é um dos principais favoritos, mas já teve um momento fraco na E3 Harelbeke e Van der Poel não foi muito bom em Waregem.

Já mostramos grandes coisas nesta primavera. Ballerini venceu o Omloop Het Nieuwsblad, Sam Bennett Brugge-De Panne e na E3 tivemos Asgreen e Sénéchal em primeiro e segundo lugar. As duas últimas corridas não correram conforme planeado, mas a ambição continua alta. Continuamos em primeiro lugar no ranking da UCI e com o maior número de vitórias de todas as equipas. É uma pena que Zdenek Stybar não possa alinhar no domingo.

Fácil de ver que as conclusões de Lefevere têm algum sentido da realidade. Na verdade, o grande trunfo da Deceuninck é o seu conjunto, enquanto Van der Poel e Van Aert se valem mais do seu potencial individual, nada impedindo que , numa situação de dificuldade extrema, os dois possam trabalhar juntos, para tentarem vencer na linha de meta.

Entre os nomes já apontados, custa a crer que outro ciclista possa vencer o Tour de Flandres, mas já aconteceu com Bettiol em 2019 e Nick Nuyens em 2011, isto para nos referirmo-nos apenas aos últimos dez anos, nomes que não faziam parte dos favoritos e que acabaram por vencer. Mesmo assim, arriscamos uma segunda escolha, : Laporte, Turgis, Degenkolb, Cortina, Nassen, Lampert, Pollit, Asgreen, Van Baarle e Pidcock .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *