UAE: era para ser o relato da etapa, mas hoje é diferente : falamos de sprinters

Sprintar é cada vez mais uma disciplina só para alguns, muito poucos, que marcam uma época, mas nunca uma geração. Sam Bennett tem sido o sprinter mais profícuo das duas últimas temporadas, com dezenas de triunfos. Sem Groenewegen e Jakobsen no pelotão, existe uma série de nomes que indiscutivelmente podem ganhar corridas: Caleb Ewan, Elia Viviani, Demare, Ackermann, Gaviria e agora David Dekker, já deixando para uma segunda escolha, Peter Sagan, Nizzollo, Laporte, Bouhanni, Degenkolb, David Ballerini, Hodeg, Minali, Coquard.

Ainda faltarão alguns nomes, mas estes serão talvez os mais proeminentes sprinters mundiais. Sprinters, cuja hegemonia dura pouco tempo, ou pelo menos a sua longevidade triunfadora é quase efémera. Longe vão os tempos de domínio de geração , como o fez Freddy Maertens, Van Looy, ou até mais recentemente Cavendish e Greipel . Hoje em dia, os sprinters ganham tudo numa época e, na época seguinte aparecem mais calmos, em especial quando mudam de equipa. ..

Imagem
Os sprinters ultrapassam o impossível, transformando- no em possível, slogan que o pórtico de meta do Tour UAE apregoa. Hoje, Ackermann até andou mais rápido que Bennett atingindo os 73.2 kms de velocidade máxima instantânea e 1530 watts de potência. É obra, uma obra muito musculada.

Hoje, mais uma vez, Bennett triunfou à vontade, à frente de Viviani que fez o melhor sprint dos últimos meses. Um sinal , bom sinal para o italiano da Cofidis ? Um outro nome que apareceu, na quinta posição foi Gaviria. O colombiano deverá, com toda a certeza, ser portador de algumas sequelas de duas contaminações com Covid, saudando-se, portanto, a seu quinto posto.

Imagem
Bennett ganhou, com menos watts e velocidade que Ackermann, o que quer dizer que talvez tenho tido uma maior ajuda do seu “comboio”.

Tem de haver etapas para sprinters, como a de hoje no Tour UAE. Mas que estas etapas são enfadonhas, isso é verdade, valendo para animar a malta, as paisagens, bem aproveitadas pela Eurosport, que apostou a sério na publicidade que o ciclismo lhe proporciona através do patrocínio das diversas regiões de turismo de quase todo o mundo … Até de Portugal.

O ciclismo esgota-se numa teia de entendimentos, que inexoravelmente reduz a pó as fugas, que eram a razão da essência do ciclismo popular, épico e combativo, tornando-o monótono e algo repetitivo.

A nossa sociedade mudou, tal como a forma de informação. O que era para ser uma informação da etapa de hoje do Tour UAE, transformamos num artigo diferente. Afinal, são quase 20 horas e, nesta altura, já toda a gente sabe quem ganhou a etapa e como ela se passou. A informação já não é à hora, é ao minuto, daí que ela tenha de ser diferente, e nós vamos adaptando-nos a essa realidade.

Na geral, continua tudo na mesmo, exceto para Pogacar que foi punido em dez segundos por empurrar um ciclista. A sua vantagem é, agora de 35 segundos para Adam Yates. João Almeida continua e continuará terceiro.

Classificação – etapa:

1 Sam Bennett Deceuninck – Quick Step 3:32:23
2 Elia Viviani Cofidis, Solutions Crédits ,,
3 Pascal Ackermann BORA – hansgrohe ,,
4 David Dekker Team Jumbo-Visma ,,
5 Fernando Gaviria UAE-Team Emirates ,,
6 Giacomo Nizzolo Team Qhubeka ASSOS ,,
7 Kaden Groves Team BikeExchange ,,
8 André Greipel Israel Start-Up Nation ,,
9 Cees Bol Team DSM ,,
10 Michael Mørkøv Deceuninck – Quick Step ,,

Geral:
1 Tadej Poga?ar UAE-Team Emirates 20:41:59
2 Adam Yates INEOS Grenadiers 0:35
3 João Almeida Deceuninck – Quick Step 1:02
4 Chris Harper Team Jumbo-Visma 1:44
5 Neilson Powless EF Education – Nippo 1:46
6 Mattias Skjelmose Jensen Trek – Segafredo 2:37
7 Damiano Caruso Bahrain – Victorious 2:39
8 Mattia Cattaneo Deceuninck – Quick Step 3:53
9 Rubén Fernández Cofidis, Solutions Crédits 4:13

10 Fausto Masnada Deceuninck – Quick Step 6:30