Groenewegen tem o apoio de Bugno

O presidente da associação de ciclistas da CPA Gianni Bugno aponta o dedo às barreiras de proteção, da Volta à Polónia, como uma das principais causadoras da gravidade da queda com graves lesões faciais de Fabio Jakobsen, afirmação efetuada no contexto das ameaças de morte feitas a Dylan Groenewegen , afirmando que as mesmas são indignas, inadmissíveis e indecentes.

Proteção policial, imensas cartas de ódio, e muitas ameaças de morte, foi o que recebeu Groenewegen, até uma encomenda que lhe foi entregue em casa, a qual continha um laço para ele e sua mulher, onde era referido que deveriam enforcar seu filho recém-nascido.

A CPA e Gianni Bugno têm-se debatido na luta para melhor a segurança nas provas com novas regras, para a colocação de barreiras nas estradas e áreas de chegada, as quais deveria ser introduzida durante a época de 2021.

A associação de ciclistas da CPA já por diversas vezes solicitou à UCI sanções para as organizações que demonstrem deficiências, mas até hoje apenas Groenewegen foi o único a receber a desqualificação. Os ciclistas Philippe Gilbert e Matteo Trentin tem sido os representantes dos ciclistas numa série reuniões como o Comité de Gestão da UCI, onde são esperadas a aprovação de uma série de novas medidas, as quais inicialmente serão aplicadas no World Tour, e é hora de passar das palavras às ações, conforme sublinhou Bugno.

Polémicas à parte, Bugno espera que esta polémica possa pertencer ao passado, e que a sentença de Dylan após cumprida, possa abrir portas a um bom relacionamento com o pelotão.

José Morais

no pelotão internacional com amizade e compreensão.

José Morais