Reflexões de Dumoulin e Roglic tornam-se virais

As palavras levam-nas o vento, diz o ditado mas algumas persistem e fazem a nossa cabeça rolar. Num documentário denominado Code Geel publicado pela cadeia de televisão NOS, com a equipa da Jumbo-Visma, algumas palavras quer de Roglic quer de Dumoulin começam a tornar-se virais. ” A equipa não tinha necessidade de levar Pogacar na roda todos os dias até o último km de cada etapa.

Naquele documentário os dois ciclistas mostraram-se críticos com as opções táticas da sua equipa, que perseguiam tudo que se movia. Na verdade ao longo do Tour, a equipa da Jumbo-Visma desgastou-se em demasia, na perseguição de ciclistas pouco importantes na geral individual, manteve a corrida controlada , quando poderia ter atacado com vários ciclistas, entre eles Sepp Kuss, Dumoulin ou mesmo Bennett, desgastando enormemente todos os seus ciclistas, facilitando ainda o trabalho a Pogacar que, ao longo do Tour se manteve calmo e sereno sem assumir qualquer perseguição.

Mas as interrogações dos dois ciclistas prendem-se um pouco com a performance de Pogacar: “ Como é possível perder um minuto e meio para um ciclista que parece um mineiro em cima de uma bicicleta. ? Não faço ideia nem sei como foi possível ter andado minuto e meio mais rápido que eu. Perder dois minutos em 36 kms é incrível, é preciso calcular qual a potência necessária para obter esse tempo. ” Algumas palavras ficam registadas, sem que o vento as possa levar.