O que esperar desta nova Direção da FPC ?

A Federação Portuguesa de Ciclismo realizou, no passado fim de semana, sem grande alarido, uma Assembleia Geral para a eleição e tomada de posse dos novos dirigentes para um novo ciclo olímpico.

Delmino Pereira assume o seu último mandato à frente dos destinos da Federação mais antiga do nosso país e as expetativas são grandes. Normalmente, no último mandato quem está no poder gosta de deixar o seu cunho pessoal, obra feita para mais tarde recordar. Portanto, é com grande curiosidade que os diversos agentes da modalidade, aguardam as mudanças que eventualmente possam surgir, ou se pelo contrário haverá uma linha de continuidade.

O trabalho desenvolvido pelo atual presidente da FPC, nos mandatos anteriores pode-se considerar positivo, por alguns pontos essenciais : interesse no fomento da modalidade, trabalho persistente na angariação de novas provas, modernização no processo burocrático de inscrições ( nem sempre bem sucedido), implementação do ciclismo no meio escolar, com experiências muito positivas.

Não tivemos acesso ao programa previsto para estes quatro anos, talvez possa estar exposto no site da FPC, mas era importante que o programa previsto para o quadriénio tivesse sido distribuído, para um melhor conhecimento do que está previsto.

Um ponto que parece, finalmente, concretizado para 2021 é a formação do Departamento de Ciclismo Profissional, organismo que terá, entre outras e importantes funções, encontrar novos sponsors, novas provas e novas regulamentações que estejam de acordo com a realidade bem distinta do ciclismo nacional . O ciclismo profissional necessitava de alguém que o pudesse orientar e dar resposta a uma série de necessidades, regulamentando de acordo com as expetativas de equipas e ciclistas nacionais, aqueles que competem internamente, e que assegurem, quer se queira quer não, o interesse da modalidade por milhares de pessoas.

Só pela criação do Departamento de ciclismo Profissional, pelo qual nos debatemos há mais de trinta anos, este Executivo parece entrar, finalmente num caminho mais assertivo.

2 thoughts on “O que esperar desta nova Direção da FPC ?”

  1. Dizem que querem a criação de um departamento de Ciclismo profissional, mas o único interesse da federação é o ciclismo de pista/estrada, negligenciando as modalidades mais ligadas ao BTT, como aconteceu muito recentemente ao negar a inscrição de vários atletas profissionais numa prova do campeonato do mundo de DH! Nomeadamente o único português detentor de categoria A, que já se encontrava no país onde ia decorrer a prova, suportando todas as despesas, e a federação portuguesa negou-lhe a inscrição! O ciclismo português não pode se resumir apenas à Volta a Portugal!

  2. Departamento de Ciclismo Profissional?
    O JN enquanto organizador existiu durante cerca de vinte anos e a Podium/Pad também tem mais ao menos o mesmo tempo, ou seja, será que deste novo departamento vai surgir um novo organizador para substituir a Podium? O seu “nascimento” e atribuição da organização da Volta foi na altura tudo menos consensual.

Os comentários estão fechados.