Hindley e Geoghegan Que vença o melhor, mas para nós, o melhor foi o João Almeida.

RESULTADO ESTÁGIO 20 GIRO.  Fim improvável graças à corrida em subida: Geoghegan Hart e Hindley no início do contra-relógio decisivo

Pela lei da lógica, Tao Geoghegan tem mais hipóteses de ganhar o Giro do que o australiano Hindley, os dois a dividirem o primeiro lugar, caso único na história de uma prova de três semanas. Os dois foram os mais fortes na montanha, onde fizeram diferença para todos os outros candidatos.

Geoghegan venceu duas etapas, é uma das estrelas do ciclismo britânico, mas não foi o obreiro do triunfo, muito bem gizado, a partir do meio do Giro, pela sua equipa técnica. Se o ciclista da Ineos vencer o Giro, só tem de agradecer a um homem : Rohan Dennis, sem duvida o elemento mais influente e decisivo deste Giro.

Dennis foi o homem mais influente e decisivo do Giro.

Dennis nunca tinha mostrado tamanha apetência e desembaraço em etapas montanhosas, bem antes pelo contrário. O seu campo de ação sempre foi o C/R, especialidade em que é exímio e rolador de excelência. Até este Giro desconhecia-se esta sua faceta, o que diz bem das metamorfoses e transformação que a Ineos é capaz de promover e desenvolver, com os seus ciclistas, tal como o fez, por exemplo, com Geraint Thomas e Bradley Wiggins, grandes pistards, reconvertidos em grandes trepadores. Com esta capacidade, Dennis poderá sonhar em ser no futuro, aliando os seus dotes de contrarrelogista, rolador e agora trepador um homem a ter em conta em qualquer prova por etapas.

Passemos à frente Rohan Dennis, para nos debruçarmos agora sobre Kelderman, que provou que a aposta da Sunweb, conforme o dissemos no final da 15ª etapa, esteve correta. As apostas ganham-se correndo riscos, por isso é que são apostas, e ao escolher Hindley em detrimento de Kelderman, os responsáveis sabiam que seria muito difícil ao holandês aguentar o ritmo dos melhores nas etapas de alta montanha. Se Hindley tem ficado à sua espera, hoje a Ineos tinha o Giro ganho, agora é esperar pelo C/R.

Vibremos agora com João Almeida, sem duvida um dos homens do dia. Primeiro pela objetividade como correu, e pela forma que a sua equipa preparou a corrida, adivinhando-se que o ciclista caldense tinha como objetivo ganhar a etapa, e no mínimo ganhar tempo a Pello Bilbao, que anda pendurado, mortinho que a prova acabe. Para o espanhol, ser quarto ou quinto já pouco interessa. Para o português ser quarto é melhor que quinto, e por isso João Almeida merece a nossa admiração por ter lutado até o fim .

Também em destaque esteve Ruben Guerreiro, pelo seu pundonor, pelo seu espírito guerreiro , e também por acreditar que poderia vencer uma das classificações mais ambicionadas por qualquer ciclista.

O Giro terminou, e é uma pena que tenha de ser decidido no C/R, mas se pensarmos bem, que prova mais emocionante assistimos nos últimos anos como este Giro ? Talvez por isso, mereça ser discutido no C/R, a que muitos chamam a prova da verdade, e a quem nós apelidamos uma prova de especialistas.

Hindley e Geoghegan um deles será o vencedor. Que vença o melhor, mas para nós, o melhor foi o João Almeida.

Classificações – etapa:

1 GEOGHEGAN HART Tao INEOS Grenadiers 100 80 4:52:45
2 HINDLEY Jai Team Sunweb 40 50 ,,
3 DENNIS Rohan INEOS Grenadiers 20 35 0:25
4 ALMEIDA João Deceuninck – Quick Step 12 25 1:01
5 VENDRAME Andrea AG2R La Mondiale 4 18 1:34
6 RUBIO Einer Augusto Movistar Team 15 1:35
7 BILBAO Pello Bahrain – McLaren 12 ,,
8 KELDERMAN Wilco Team Sunweb 10 ,,
9 VALTER Attila CCC Team 8 1:48
10 KNOX James Deceuninck – Quick Step 6 2:00

Geral:

1 HINDLEY Jai Team Sunweb 20 85:22:07
2 GEOGHEGAN HART Tao INEOS Grenadiers ,,
3 KELDERMAN Wilco Team Sunweb 1:32
4 BILBAO Pello Bahrain – McLaren 2:51
5 ALMEIDA João Deceuninck – Quick Step 3:14
6 FUGLSANG Jakob Astana Pro Team 6:32
7 NIBALI Vincenzo Trek – Segafredo 7:46
8 KONRAD Patrick BORA – hansgrohe 8:05
9 MASNADA Fausto Deceuninck – Quick Step 9:24
10 PERNSTEINER Hermann Bahrain – McLaren 10:08