giro cada vez mais problemático terminar em milão

Começa a ser complicado o Giro terminar em beleza, na verdade a cidade de Milão cada vez mais parece estar longe dos horizontes de algumas equipas e ciclistas.

Depois de alguns casos positivos em ciclistas, que se confirmam e desconfirmam com alguma brevidade, o caso de Michael Mattews testou positivo, três dias volvidos já testou negativo, foi agora a vez de uma assentada 17 policiais que acompanham a prova acusarem Covid. A organização vai fazendo o que pode, mas segundo dizem nos bastidores, está longe da margem de segurança que o Tour evidenciou.

Dizem que a convivência começou logo na Sicília, quando nos hotéis não houve a separação desejada entre as equipas e os restantes hóspedes , o que redundou num potencial foco de contaminação.

Hoje, um sinal de alerta foi dado, primeiro por Thomas de Gendt que achava melhor ir para casa e não correr riscos, e depois foi a equipa americana do extravagante Jonathan Vaugthers.

Sabe-se que a equipa enviou uma carta à UCI, ao organizador do Giro RCS Sport, às equipas de ciclismo e a outras partes interessadas importantes no ciclismo a solicitar a paragem da corrida.

“É melhor pararmos de uma forma bem organizada”, neste memorando a EF Pro Cycling afirmou o seguinte: “Seria sensato terminar o Giro cedo, tanto para a corrida em si como para todo o WorldTour. Espera-se que mais casos corona positivos venham à luz. É melhor pararmos de forma limpa, caso contrário, as próprias equipas sairão do Giro. “

A equipe propõe fazer dois testes de PCR com os ciclistas antes do segundo dia de descanso, quando os testes em larga escala para o vírus corona forem realizados novamente. Se ainda houver casos positivos antes do dia de descanso, o Giro deveria ser interrompido definitivamente após a décima quinta etapa (com finalização no topo do Piancavallo)a

Se depender da EF Pro Cycling, a classificação final seria feita no final das duas semanas. No entanto, a UCI não concorda com o pedido. “Percebemos que é um desafio terminar a temporada de ciclismo da melhor maneira, mas só podemos fazer isso se acelerarmos e trabalharmos juntos.”

O presidente da UCI, David Lappartient, anunciou que todos os ciclistas serão testados extra hoje e amanhã, além dos testes obrigatórios no segundo dia de descanso. “Esperamos levar o Giro ao final e de uma forma bem sucedida. Determinaremos se precisamos tomar medidas adicionais com base nos resultados ”.

Uma coisa é certa: o EF Pro Cycling sairá do Giro se tiver um teste de corona positivo. Thomas De Gendt, ativo da Lotto Soudal neste Giro, disse que se sentiu inseguro esta manhã . “As coisas não estão no bom caminho neste Giro. Sinto que a organização está a esconder factos. Há ciclistas que preferem não alinhar.