Um olhar à Volta – 7ª etapa

A imagem pode conter: 2 pessoas, bicicleta e ar livre, texto que diz "JOGOS SANTACASA FIDELIDADE 50m 75m"

A bela cidade de Setúbal, repleta de gente, teve o final da 7ª etapa ao fim de 161 km. Era uma tirada que tinha uma contagem de Montanha de 2ª categoria apenas a 13,4 Km do seu final e por isso podia trazer grande emoção desde o Alto da Arrábida até à meta na Avenida Luísa Todi. Também havia ainda a incerteza se Luís Gomes da Kelly/Simoldes/UDO reconquistaria a camisola vermelha. É claro que à partida , o gaiense teria mais trunfos porque sobe muito bem – foi o rei da montanha em 2000 ao serviço da Rádio Popular/Boavista – enquanto o britânico Daniel Mclay, é bem mais pesado para as montanhas e excelente para finalizar etapas.

Outra questão que estaria para ser defendida, era a vice-liderança da Volta por parte da Rádio Popular/Boavista porque amanhã é dia de CRI e a equipa vai perder alguns minutos. Tentou hoje ganha-los, percebia-se que estaria nos seus propósitos, mas só se a equipa da W52/FCPorto tivesse um grande percalço.

Era esperada uma fuga que vingasse, e isso viria a acontecer aos 25 Km com oito corredores: Ángel Madrazo (Burgos-BH), Ion Irisarri (CajaRural/SegurosCGA), Gavin Mannion (Rally Cycling), Anthony Delaplace (Arkea/Samsic), Óscar Pelegrí (Feirense), Luís Gomes (Kelly/Simoldes/UDO), Marvin Scheulen (L. A. Alumínios/L.A.Sport) e Joaquim Silva (Miranda/Mortágua). A integração de Luís Gomes visaria a conquista de pontos nas três Metas Volantes da etapa. Viria a fazer primeiro nas primeiras duas e abdicou da fuga para preparar o final da etapa, onde poderia vencer, face às suas características. Este oito fugitivos, depois apenas sete, foram absorvidos pelo pelotão já em plena Arrábida, junto à praia da Figueirinha. Não se pode dizer que morreram junto à praia porque ainda faltavam as maiores dificuldades, mas os objetivos de mostrar os patrocinadores foram cumpridos.

A subida ao Alto da Arrábida foi atacada, mas de uma forma pouco consistente. Nota-se que os ciclistas não estão bem preparados e que estão fisicamente ao mesmo nível uma boa dúzia de ciclistas apenas. É uma época para esquecer. Quem não esqueceu os ciclistas foram os sadinos que vieram ver em massa os heróis das bicicletas, aproveitaram o bom tempo e estiveram sobretudo na longa Avenida Luísa Todi. Na reta da meta tiveram a perceção que vinham dois ciclistas um pouco destacados do resto do pelotão: eram António Carvalho (Efapel) e Luís Fernandes (Rádio Popular/Boavista) que se isolaram antes do Alto da Arrábida e depois fizeram a descida até Setúbal num esforço a dois que deu bons frutos. No final quem levantou os braços foi o homem da Efapel. E foi bonito ver o abraço de Carvalho e Fernandes no final de etapa. São amigos. Em terceiro lugar cortou a meta em Setúbal, Luís Gomes (Kelly/Simoldes/UDO), quarto o jovem Gonçalo Carvalho (Rádio Popular/Boavista), quinto o sprinter italiano Mauro Finetto (Nippo/Delko/Provence), sexto o espanhol Alejandro Marque da Atum General/Tavira/Maria Nova Hotel), sétimo João Benta (Rádio Popular/Boavista), oitavo Jóni Brandão (Efapel), nono o camisola amarela Amaro Antunes (W52/FCP) e em décimo Frederico Figueiredo (Atum General/Tavira/Maria Nova Hotel)

A Classificação Geral não teve alterações nos dez primeiros, assim: 1º – Amaro Antunes (W52/FCP), 2º – Frederico Figueiredo (Atum General/Tavira/Maria Nova Hotel) a 13s, 3º – Gustavo César Veloso (W52/FCP) a 1:13m, 4º – João Benta (Rádio Popular/Boavista) a 1:27m, 5º – Jóni Brandão (Efapel) a 1:37m, 6º – João Rodrigues (W52/FCP) a 2:00m, 7º – Alejandro Marque (Atum General/Tavira/Maria Nova Hotel) a 2:15m, 8º – António Carvalho (Efapel) a 2:15m, 9º – Délio Fernandez (Nippo Delko Provence) a 2:31m e em 10º – Cristián Rodriguez (CajaRural/SegurosRGA) a 2:43m. A Camisola Vermelha dos Pontos está agora novamente com Luís Gomes (Kelly/Simoldes/UDO) e a da Montanha com o jovem Hugo Nunes (Rádio Popular/Boavista). A Camisola Branca da Juventude mantem-se com Simon Carr (Nippo Delko Provence). Por equipas lidera a W52/FCP.

A etapa de amanhã é a derradeira. É um CRI de 17,7 Km em Lisboa, quase toda feita feita junto ao Tejo. Parte da Ribeira das Naus e termina na Praça do Comércio. É rápido e tem poucas dificuldades. Gustavo César Veloso lidera um pequeno grupo de favoritos. A diferença para o seu colega de equipa, Amaro Antunes, é de 1:13m. Tudo pode ser possível. Espera-se um top 10 com vários ciclistas da W52/FCP. Esperemos que tudo corra bem.

Jorge Garcia