Poucos mas bons

Bom a etapa de hoje foi algo sem sabor, em especial para quem ia nos carros, pois na pratica, rolou-se muito bem, e com vários cortes no pelotão, em especial nas pequenas e poucas dificuldades que iam surgindo pelo caminho. Mesmo assim, uma série de ciclistas acusou o desgaste a que foram submetidos até agora, o que nos leva a pensar, como seria se a prova fosse ao contrário, ou seja com as dificuldades centradas na parte final da Volta.

Esta Volta que caminha para o final, sem grande interesse desportivo. Hoje ainda se pensava que o vento viesse a provocar alguma surpresa, mas há uma evidente falta de poder neste pelotão. Os homens da Burgos-BH ainda tentaram fazer qualquer coisa, tentaram fazer uma bordure, mas o mais que conseguiram foi anular a escapada, sem provocar danos a quem quer que fosse.

É um ano atípico, com os ciclistas a acusarem falta de competição, que não de treinos. Faltará muito ritmo, e muitos destes ciclistas terão treinado em excesso, o que provocou que muitos se tivessem apresentado na Volta já com algum déficit físico.

O pelotão da frente, aquele que rola certinho, quase sempre com os mesmos protagonistas é um grupo pequeno . Importa, contudo, sublinhar que a competição e a emoção, tanto se faz com muitos como com poucos e, nos momentos mais difíceis , não faltou espetáculo, pena que as etapas e o perfil traçado não tenham ajudado esta Volta.