SALVATORE… MCLAY

Chegada a Águeda, num local diferente do que nos tem acostumado nos últimos anos, e também diferente das tradicionais chegadas a Águeda, local onde o italiano Salvatore Comesso, venceu em 2001 a sua segunda etapa. A primeira tinha sido em Loulé. Salvatore Comesso, que foi o rei das tropelias nessa Volta. Levou as suas etapas, a camisola verde e, talvez, boas recordações.

Das minhas recordações, para além das “pegas” que o italiano teve com o nosso Cândido Barbosa, lembro-me de o ver parar em plena serra da estrela, na subida para a Torre, num local onde um grupo lhe ofereceu presunto e um tradicional copo de vinho! Parou, comeu, deu um gole, e seguiu na sua pedalada serra acima, com um ar sorridente e deixando atrás dele uma onda de boa disposição.

Daniel Mclay, da Arkea, sucedeu a Salvatore Comesso nas vitórias em Águeda, na Volta a Portugal. Um britânico numa chegada para sprinters, mas para sprinters rijos, porque tinha alguma inclinação e vento. Aliás, este maior inimigo dos ciclistas, foi sempre presença constante, e parece ter vindo para ficar, numa etapa, a de amanhã, que se corre sempre perto do mar.

De resto, em bom português, tudo como dantes quartel general em Abrantes. Excepto, a vitória virtual de Hugo Nunes (RP-Boavista) na montanha e, claro, os tais indiscutíveis vinte segundos de penalização.
Luís Gonçalves