Que falta está a fazer o calor nesta Volta

Já aqui o dissemos que este, é uma Volta atípica, inconsistente no seu percurso, em que os melhores não têm grande capacidade de fazer diferença. No ciclismo, o que distingue o bom ciclista do sofrível, é vermos a prova avançar, nos dias de corrida e as dificuldades a centrarem-se na parte final de uma prova. Aí, os fortes começam a fazer valer os seus atributos físicos e psiocológicos, enquanto os mais fracos não recuperam e entram na zona cinzenta, da falta de poder.

Numa prova por etapas, o que carateriza e faz diferença entre os seus participantes, é exatamente a sua capacidade de recuperação, com as dificuldades a surgirem nos primeiros dias, a prova perde algum elan e até interesse na parte final. Depois da subida à Torre, o que tem de mais atrativo esta Volta : o desinteressante, do ponto de vista de espetáculo, C/R final de Lisboa.

Por força deste traçado, hoje alguns ciclistas viram e desejaram-se para chegar naquela pequeno grupo dianteiro, separado por poucos segundos. Chegaram pendurados alguns, por falta de competição, de ritmo, do calor que faz falta para transpirar e para descomprimir. No ciclismo o termo utilizado é abrir a caldeira . A Volta entrou a matar.

Amanhã, como vai ser ? Uma autêntica incógnita. Hoje alguns dos favoritos chegaram no limite, amanhã poderão estar melhores, em especial se estiver calor . Que falta está a fazer o calor nesta Volta.