Imprensa colombiana ataca L’Equipe

A imprensa colombiana está ao rubro na defesa de Nairo Quintana, atacando o jornal francês L’Equipe, que o trata como uma “decepção“.

Se se tem que rotular a alguém de “decepção”, é a gendarmaria francesa, que fez um grande escândalo à toa. Na verdade, apenas manchou o nome impecável de Quintana, por simples suspeita. Uma suspeita sem fundo. Mesmo assim, os jornais noticiaram oportunamente a situação de Quintana, focaram tudo com precisão e até trouxeram especulações.

Mas para o jornal L’Equipe, justamente que começou com as denúncias contra Quintana, a ‘decepção’ é Quintana. Assim, eles deram título a algumas suspeitas simples, produto não das ações do corredor, mas do erro das autoridades.

“As equipas francesas têm repetidamente ‘queimado os dedos’ contratando renomados ciclistas estrangeiros, algo que a Arkéa-Samsic está arriscando com Nairo Quintana ”, diz a publicação L’Equipe.

Agora, se há uma equipa que se beneficiou de tudo o que aconteceu em 2020, é a Arkea. As vitórias de Nairo colocaram-na mapa, caso contrário seria conhecida apenas timidamente, como a Total Direct Energie que não gravita como o Arkea o faz agora.

Mas a publicação inclui Quintana no grupo de “estrangeiros no pelotão que decepcionaram equipas francesas“. Ainda assim, a comunicação de Nairo foi clara:

Eu, Nairo Quintana, fui um corredor limpo ao longo da minha vida desportiva e tenho um passaporte biológico impecável.”

Estes são os termos, na generalidade, que a imprensa colombiana se refere ao caso Quintana, com o jornal L’Equipe, que pertence à ASO, entidade organizadora do Tour, no meio da questiúncula.