Hirschi : o Super Combativo

Uma das maiores metamorfoses do Tour, foi sem duvida a atribuição do Prémio Super Combativo, normalmente destinado a ciclistas já experientes e habituados a grandes cavalgadas. Um dos nomes mais em foco nos últimos anos tem sido Thomas de Gendt. Só que o belga este ano passou totalmente ao lado do Tour, Não entrou em fugas, refugiou-se na pelotão, só acordando nos últimos dias para, numa entrevista a um jornal belga, ter afirmado “ agora que faltam três dias para terminar é que estou bom.”

Quem esteve bem ao longo do Tour, como grande baroudeur ( aventureiro ) foi o suíço Marc Hirschi,uma das grandes revelações da prova, com apenas 22 anos foi designado como o Super Combativo, prémio que não podia ser atribuído a outro ciclista, tais foram a qualidade das suas fugas, recompensadas com um triunfo na décima segunda etapa, tendo também terminou em segundo lugar na segunda etapa, ganha por Alaphilippe, e em terceiro na nona etapa, logo a seguir a Pogacar e Roglic.

Um nome a ter em conta no futuro, que mostrou grandes qualidades nas etapas de montanha e que pode aspirar a mais altos vôos.