Frederico Figueiredo, finalmente um grande triunfo

A imagem pode conter: 1 pessoa, céu e ar livre

A etapa final do Prémio de Torres prometia e não desiludiu. Percorrida a mais de 42 km/h de média, o triunfo foi discutido na subida final para o Carvoeiro, com um pelotão bem recheado. No alto, mesmo em cima da linha de meta, o triunfo foi cerrado entre Frederico Figueiredo e Luis Gomes . O tavirense foi o primeiro e concomitantemente o vencedor final, mas Luis Gomes pode se queixar da falta de sorte. No arranque o pé saltou do pedal, o que foi fatal para o ciclista da Kelly-Oliveirense.

Algumas fugas para animar a corrida, só isso, e no comando do pelotão a Efapel a defender a amarela de Luís Mendonça. Foi evidente que a etapa poderia ter outro desenlace, pois os homens da W52 -FCP nos últimos trinta kms começaram a atacar, acompanhados por elementos da RP-Boavista, mas o azar também bateu à porta dos portistas. Primeiro quando Ricardo Mestre furou, sem o apoio do seu carro de apoio, neutralizado por uma barragem dos comissários, e depois mais à frente , a cerca de sete kms da meta, quando João Rodrigues e Amaro Antunes foram vitimas de uma queda. Num ápice a equipa ficou sem três elementos importantes.
Já praticamente sem companheiros, Luis Mendonça entrou no alto do Carvoeiro um pouco desamparado. Os dois elementos que estavam com ele a cinco kms da meta, tiveram que perseguir Alejandro Marque e encostaram para o lado, e a meio da subida, Frederico atacou e só Luis Gomes foi com ele. Luis Mendonça ainda tentou fazer a ponte, mas o melhor que conseguiu foi ser o melhor de um grupo de seis ciclistas.

Um final em grande. Com muito público, uma etapa que nunca parou e que deu ainda mais valor aos intervenientes de uma corrida, que só pecou por ter sido disputada em dois dias. Torres Vedras merecia mais, mas teremos de ter palavras de encómio e agradecimento para a UDO e, em especial para três pessoas : Francisco Manuel e Luis Fernandes, as alma mater da prova e para a secretária da prova Mafalda Romão, por terem a coragem de colocar uma prova na estrada, num período tão complicado como o que atravessamos.