Angel Lopez o melhor na etapa rainha – Roglic reforçou liderança

Resultados da fase 17 do Tour de France.  Miguel Angel Lopez vence a etapa rainha, Roglic sobe no Col de la Loze à frente de Pogacar
Foto : AP

Comedido, sabendo esperar pacientemente pelo seu momento, sem se desgastar em demasia e sem se expor, Miguel Angel Lopez atacou no momento certo e consagrou-se como o homem do dia. Venceu a etapa e subiu a um lugar elegível para o pódio final, dando mesmo a sensação que, agora, será sempre a subir.

As montanhas longas são as melhores para os colombianos e, hoje, Lopez provou que é um valor sólido no panorama velocipédico do seu país. Primeiro porque é jovem, mas já experiente, segundo porque é um dos melhores trepadores mundiais e terceiro porque é inteligente a correr e a fazer a leitura de uma corrida. O ciclista da Astana ganhou nada mais nada menos que 40 segundos para Pogacar, muito pouco atendendo que ainda falta o C/R onde o esloveno é superior, mas este foi um sinal de que o Tour tem ainda as portas abertas para a discussão da ordem de classificação do pódio.

Um outro sul americano esteve em plano de evidência na etapa rainha deste Tour, referimo-nos a Carapaz que, nestas duas últimas etapas tem finalmente aparecido, e fez uma subida digna de grande registo, baqueando um pouco por culpa da Bahrain e Wout Poels que fez uma corrida para Landa que, mais uma vez, provou que não ter argumentos para os grandes momentos.

Na luta direta entre Roglic e Pogacar houve um peso na balança decisivo, e que faz a diferença entre as grandes formações. Na verdade, os milhões de euros que cada equipa World Tour gasta permite-lhes ter uma equipa para dar o apoio aos seus chefes de fila. Hoje, mais uma vez ficou provado que a diferença entre os dois eslovenos foi acentuada pelo valor da equipa da Jumbo, que ajudou o seu chefe de fila várias vezes ao longo da montanha, enquanto Pogacar teve de lutar sozinho. São nestes momentos que se vêm as diferenças entre as equipas, e por isso também é justo que este pormenor seja valorizado não a favor de Pogacar mas sim de Roglic que na altura de escolher equipa, optou por aquela que nos momentos decisivos melhor retaguarda lhe poderia dar.

Mas se Roglic deu hoje mais um passo importante para o seu triunfo no Tour, 57 segundos de vantagem é uma boa margem para o C/R, houveram ciclistas que desiludiram. O primeiro já o dissemos foi Landa, pelo que exigiu dos seus colegas de equipa e depois falhou redondamente, depois outro ex-Movistar, Quintana demasiado vulgar, como que dando a entender que o tempo de ambos já passou, tal como Rigoberto Uran que, a cada dia que passa via perdendo lugares atrás de lugares e foi o que mais baixou na tabela classificativa.

Regular tem sido Richie Porte, também não passa disso, mas foi um dos vencedores do dia Acompanha os melhores na roda, sofre quando há uma aceleração fica um pouco para trás e lá recupera outra vez. Depois, há que reparar para a frágil ( a critica espanhola engole agora sapos vivos) Movistar. Os espanhóis têm dois homens nos dez primeiros e a contratação de Enric Mas está a revelar-se muito positiva, substituindo plenamente Quintana e Landa. Mas os espanhóis terão de reforçar a sua equipa para 2021, pois Valverde , que poderá ser um candidato no Mundial, estará na sua descendente.

Bom o Tour lá continua com Pogacar a levar duas camisolas amanhã, a da Montanha e da Juventude.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *