Kamna salva honra à Bora e à … Alemanha

Kämna solos para a vitória no Tour de France: “Um grande alívio para mim e para a equipe”

Não é muito fácil ter duas oportunidades no Tour. Lennard Kamna já tinha tido a sua chance, quando foi surpreendido pelo colombiano Dani Martinez, na 13ª etapa. Na altura foi segundo, agora num grupo maior, não perdeu a oportunidade de dar à Alemanha e à sua equipa, um triunfo muito suado, mas sobretudo muito esperado para os alemães e para a sua equipa que ainda não tinha ganho uma tirada.

O triunfo soube melhor, porquanto para vencer, Kamna teve de deixar para trás o vencedor do Giro do ano passado, Carapaz, que mostrou estar muito longe do valor de quem veio substituir à última hora. O equatoriano teve hoje a possibilidade de remediar um pouco a situação, mas as coisas, pelos vistos, não correm pelo melhor para os lados da Ineos.

Todos os anos no Tour há uma etapa semelhante à de hoje. Uma fuga de 23 ciclistas, podiam ser mais alguns até, entre os quais alguns dos habitués nestas situações. Entre eles lá estava Julian Alaphlippe que não perde pitada, mas o grupo não lhe deu qualquer chance.

A vitória de Lennard Kämna começou a desenhar-se a cerca de 22 quilómetros da chegada, e a dois quilómetros do topo da subida mais longa do dia, a de Saint-Nizier (11,1 km a 6,5%). No exato momento em que, bem atrás, Egan Bernal, ficava para trás, o seu companheiro de equipe Richard Carapaz atacou, seguido por um Julian Alaphilippe que ficou pendurado, sem força. Só Sébastien Reichenbach conseguiu segui-lo , e Kämna. O ciclista da Bora-Hansgrohe, beneficiando do ritmo imposto no início da fuga pelo seu companheiro de equipa Daniel Oss, contra atacou e nunca mais ninguém lhe pôs o olho em cima.

O pelotão marcou passo, recuperou forças para o dia grande de amanhã, onde o col de la Madeleine e , em especial o col de Loze irão determinar quem irá ganhar o Tour. Hoje, o dia foi de semi-descanso para os favoritos.