Bora estoirou com Bennett e… com Sagan

Andersen deu outro triunfo à Sunweb

A Bora estoirou com os sprinters, quando a cerca de 120 kms para a chegada, aproveitando as ladeiras que existiam nesta fase da etapa, imprimiu um forte ritmo no pelotão, deixando para trás os melhores sprinters, como Bennett, Kristoff, Coquard e Caleb Ewan.

Foi um ritmo diabólico nesta fase da tirada, na frente Bora e CCC puxavam pelo pelotáo, atrás era a Deceuninck que tirava a todo o gas. Entre os dois grupos e durante cerca de 20 kms a diferença de tempo era de cerca de um minuto, mas Bennett não conseguiu aguentar o ritmo de Tim Declercq e companhia e o ritmo baixou. De repente, a diferença aumentou consideravelmente .

Os problemas, contudo, não ficaram resolvidos para Sagan. Praticamente sem equipa na fase final da etapa, os seus colegas de equipa desgastaram-se demasiado ao longo da etapa, o antigo campeão do mundo, ficou sozinho e sem qualquer solidariedade do pelotão. Bem antes pelo contrário. Os ataques sucederam-se, nos últimos dez kms, em especial por parte dos homens da Sunweb. Sagan ainda respondeu a alguns deles, mas ficou “morto” para o sprint. Depois de Benoot ter dado o mote, seria o dinamarquês Andersen, a atacar a cerca de quatro kms da meta e nunca mais ninguém lhe pôs o olho em cima. Mais um triunfo para a Sunweb.

No pelotão, o húngaro Lucas Mezjek foi o primeiro, seguido pelo lançador de Viviani, Consonni e só depois aparecia Sagan. Muita parra para pouca uva. Sagan está agora a 41 pontos de Bennett e só um milagre lhe pode dar a camisola verde no final deste Tour , a não ser que o homem da Deceuninck fique algures perdido nas montanhas dos Alpes…

Na geral individual, e em vésperas de mais uma etapa de montanha, tudo na mesma.