Acabar com os trepadores, antes de chegarem as montanhas, a tática da Jumbo

Há alguns anos, muitos anos, os italianos participavam em força na Volta a Portugal, estávamos então nos anos 90, altura da famigerada EPO, que os italianos descobriram em primeira mão. Os portugueses competiam de igual para igual, apesar da diferença que vinha de fora ser forte. Em 1997, no ano em que Massimiliano Lelli ganhou a Volta a Portugal, os italianos juntaram-se e, na etapa da Torre, imprimiram um ritmo diabólico desde a partida, e o pelotão entrou na Covilhã com uma média horária de 50 kms/h.

Pretenderam os italianos com este ritmo, que os portugueses entrassem na subida em completo estado de esgotamento, pois não estavam habituados a ritmos tão elevados e assim aconteceu. Os italianos dominaram a Volta, também um pouco com a ajuda da poção mágica da época, é certo, mas foi sobretudo aquele ritmo forte que eliminou grande parte dos portugueses, pouco habituados à utilização de fortes desmultiplicações.

Neste Tour, quem são os principais opositores de Roglic, na montanha ? À primeira vista os colombianos, que são muitos : Angel Lopez, Quintana, Bernal, Higuita, Uran, Esteban Chavez, quase todos com grandes dificuldades a acompanharem de igual para igual , os ciclistas europeus, quando se trata de etapas planas com vento.

Qual a melhor forma de diminuir os trepadores na montanha ? Primeiro é preciso uma equipa forte, como tem a Jumbo-Visma. Segundo imprimir um ritmo forte, sem dar descanso nas partes decisivas da corrida e que antecedem as montanhas, de forma a colocar os trepadores, num estado fisico depauperado. A tática tem dado resultado, pois os colombianos e outros trepadores começam a acusar a utilização de andamentos fortes, não recuperando do ponto de vista muscular. Os trepadores nos momentos decisivos na montanha acompanham mas já não têm força para atacar. Vão no limite e na roda.

Por isso, esta tática algo suicida da Jumbo, que proporciona momentos épicos de ciclismo, de elevado grau de competitividade,tem evitado os ataques dos colombianos e de outros trepadores. E se estivermos atentos, por exemplo, a Education First que dominava por equipas, à base dos colombianos, perdeu essa liderança no seu terreno, ontem, para a Movistar. Quem falhou aos norteamericanos na hora da verdade, os colombianos : Higuita e Daniel Martinez