Os homens do ciclismo são assim: vão à luta

O ciclismo tem destas coisas. Molda o caráter das pessoas, o sofrimento que o atleta passa em cima da bicicleta, transmite-se na sua generalidade na sua personalidade. São pessoas, repetimos outra vez, na sua generalidade ,que vão à luta, com abnegação e fogem do “carro vassoura”, que simboliza na sua essência o falhanço.

A Volta a Portugal vai para a estrada, poderá até não se realizar, mas por forças circunstanciais ligadas ao Covid, que não ao desinteresse, ao desleixo e ao menosprezo pela modalidade. Aqueles que sofrem com o ciclismo demonstraram que não querem nada com o ” carro vassoura”, preferem lutar, e com humildade, outro atributo que tanto carateriza os ciclistas, conseguiram pôr na estrada a Volta, a nossa Volta.

O dinheiro não abunda. Os patrocinadores também não, por isso a diminuição de um dia tem muito a ver com os custos que esse dia a mais acarretaria para a organização, obrigando a mais uma jornada suplementar, o famoso dia do descanso. Esperemos para ver, por enquanto, pelo menos JC teve sempre confiança que a Volta estaria na estrada, e senão estiver, ficamos com a certeza de que os homens do ciclismo fizerem tudo para que fosse uma realidade. Pelo meio ficaram muitos enredos, muitas histórias por contar, esperemos que este sinal possa em 2021, proporcionar a equipas e ciclistas profissionais um futuro mais risonho.