Volta : ficará a história de lado…

Ora bem, vem aí a Volta a Portugal ou não vem aí a Volta a Portugal? Para não ser um daqueles textos em que desvendamos o segredo no fim direi desde já, com simplicidade, que não sei.

É certo que tem de existir uma grande competição este ano. A Volta ao Algarve, por mais que queiram vender o impacto comercial da mesma, no nosso panorama, não chega. Se isso é bom ou mau, já são contas de outro rosário e do nosso ciclismo.

Portanto, é bom existir uma competição televisionada que, socialmente, diga mais alguma coisa aos portugueses. E, para isso, como aqui já o dissemos, é importante que não se perca a marca Volta a Portugal. Nem a RTP, no caso, deixaria que fosse de outra forma. Não estamos em 1975, quando o GP Clock, deu para os gastos.

Se o perfil da Volta, em etapas, será idêntico, porque não contar para o seu longo historial ? Uma das partes mais importantes da Volta é a sua História. Aliás, uma das partes mais importantes de qualquer coisa. Não é por acaso que a Liga Europa, continuou a Taça Uefa, ou a Liga dos Campeões continuou a Taça doa Campeões Europeus, em historial de clubes.

Pode ser uma interrupção, como já existiram, mas uma interrupção histórica que não deixa de ser estranha. Razões? Económicas e regulamentares. A História fica de lado. É pena, porque, daqui a uns anos, o que diremos do vencedor desta Volta. Honestamente também não sabemos. Ou será ignorado, ou será o vencedor de uma Volta “vintage”, para estar na moda. E os records ou dados estatísticos, contam? Etapas? será estranho! Em bom rigor, não contarão. Mas quem os conhecer terá obrigatoriamente de falar neles. Muito estranho! Num ano diferente mas que daqui a dez anos será igual a qualquer outro. Não duvidem.

Mas, mesmo que seja “meia” Volta, como meia dose, o mais importante é haver ciclismo. Isso é que é imprescindível. E, com a Volta na televisão.
Por ora, venham os nacionais. Não têm o simbolismo da Volta, mas não deixam de ter uma marca bem vincada. Um vinco que perdura e que continuará na História de 2020.
Luís Gonçalves