Aí está a Volta

Podem chamar-lhe Volta a Portugal, edição nº… ou podem chamar-lhe Volta a Portugal especial, o certo é que o percurso está marcado, terá um prólogo , começa no norte, no Minho a 27 de setembro, termina em pleno coração de Lisboa com um CRI de 17 kms.

A Volta a Portugal já mexe terá, ao fim e ao cabo, apenas menos um dia, tendo sido suprimido o dia de descanso, o que perfaz nove dias . No seu menu terá dois C/RI , o que é um peso excessivo, faltando saber se o prólogo inicial em Fafe será individual ou coletivo, o que poderá influir substancialmente na seriação dos favoritos. Terá duas etapas de alta montanha, a segunda e a quarta, com partidas de etapa inovadoras.

É a Volta, chamem-lhe o que quiserem . Terá cobertura da RTP e teve um peso excessivo de querer e vontade da FPC, na sua realização, muito em especial do seu presidente. O esforço foi grande, as duvidas pairaram mas o seu percurso está fechado. Não se compreende, mas aceita-se os argumentos que possam ter levado a que esta Volta não conte para a numeração cronológica, ou seja, será uma Volta especial, como especial é o tempo que passamos, que poderão ter influído em formas diferentes de trabalhar o “produto” por parte da Podium e, da FPC.

Será uma Volta, porque não dizê-lo, algo esquisita com as dificuldades centradas logo na fase inicial da corrida, no que poderá ter influenciado a chegada final em Lisboa e os poucos dias de corrida que permitam um figurino diferente. Ao fim e ao cabo uma Volta que não foge muito ao que é habitual, sem grandes novidades em termos de trajetos habituais utilizados em etapas e anos anteriores.