O que veio à rede esta semana

Breve resumo, do que foi dito e escrito esta semana, sobre o mundo do ciclismo, na imprensa digital.

A Trek-Segafredo, acabou de anunciar esta semana a contratação de Pieter Weening um holandês de 39 anos que estava sem equipa. As razões da contratação deste veterano, que já venceu uma etapa no Tour e duas no Giro, são validos até ao final do ano. Segundo Luca Guercilena, manager da equipa estado-unidense que depois da queda de Matteo Moschetti, que sabiam seria uma ausência muito prolongada, entraram em contato com Pieter para dar uma ajuda aos líderes da equipa nas grandes provas por etapas, em virtude da grande experiência do holandês, que afirmou estar muito motivado e vai dar 150% do seu empenho, para ajudar a Trek-Segrafredo a lutar pelos bons resultados individuais e colectivos.

Miguel Ángel Lópes, o «superman» da Astana, deu uma conferência de imprensa por videoconferência e começou por desmentir os rumores que o dão como possível contratação da Bora. Informou que acabou por disfrutar imenso da pandemia a nível familiar, porque esteve sempre com a esposa e o filho, e isso deu-lhe uma óptima estabilidade emocional. Vai participar no Critérium do Dauphiné que se realizará de 12 a 16 de Agosto e que sairá da Colômbia num voo com os restantes ciclistas conterrâneos, em meados do mês de Julho. Falou que no início da temporada no Algarve se sentiu muito bem e até deu para ganhar uma etapazinha. Confessou que lhe fará um pouco de confusão sair de casa e enfrentar as provas que aí chegam e que sente medo da pandemia. Falou também nos progressos que tem feito nos contra-relógios e do excelente resultado que obteve na Volta ao Algarve nessa disciplina.

A Movistar já decidiu quem são os líderes do Tour e do Giro. Assim, Alejandro Valverde e Enric Más farão o Tour e Marc Soler vai liderar a equipa no Giro. Estes três ciclistas vão participar juntos na Vuelta a Burgos em 28 de Julho. Em princípio a Vuelta terá o mesmo duo que fez o Tour. Os mais jovens da equipa farão as clássicas. Unzué disse que iriam ser três meses loucos para técnicos, corredores e auxiliares. Vão ter três blocos distintos com a equipa dividida. Valverde não sabe como vai reagir o seu corpo depois deste longo período de confinamento, porque um corredor com 40 anos é mais complicado ganhar forma sem competir. Diz que continua a sonhar com os Jogos Olímpicos de 2021. Quer Unzué, quer Valverde, dizem que a ideia de comprimir o calendário foi o melhor que a UCI ousou fazer, se não, era o descalabro para o ciclismo

Richard Carapaz, liderou um grupo de protesto com vários ciclistas profissionais, depois do jovem Rubén Dario Tatés, de apenas 20 anos, ter falecido após um atropelamento enquanto treinava. O condutor foi posto em liberdade o que provocou a ira entre os ciclistas equatorianos que se juntaram a pedir justiça pela jovem promessa que sucumbira a mais um acidente mortal com ciclistas. Richard Carapaz e Jhonatan Caicedo lideraram esses protestos contra a justiça de deixar em liberdade o condutor do veículo. Escreveu Carapaz: É muito triste ver que um jovem morre na via em busca de um sonho de ser um grande ciclista e deixa-nos todos a pensar que há muita falta de respeito na nossa sociedade e que se cumpram as regras e a lei. Quanto a Caicedo: Estamos de coração partido porque um dos nossos companheiros foi atropelado e morre, e o condutor está livre, e temos mais um ciclista enterrado.

Egan Bernal, falou que será vibrante saber que estratégia assumirá a Ineos no Tour de França com três candidatos a correr na mesma equipa. Disse que respeita muito Froome e Thomas e que será a estrada a decidir a liderança. Confia que os colegas se irão comportar de uma maneira justa e honesta. Disse que quer vencer as três Grandes Voltas e aponta 2021 a vitoria no Giro que leva no coração. Também gosta imenso da Vuelta e por isso vai lutar por conseguir colocar no seu curriculum, a vitória por terras espanholas. Os colombianos chegarão à Europa na segunda semana de Julho para completar a sua fase final de preparação. Enaltece também o esforço que a UCI fez para conseguir um calendário de altíssimo nível num curto espaço de tempo e que isso pode ter sido a salvação do ciclismo.

A Groupama-FDJ já começou a renovar com alguns ciclistas até 2023. São os casos de Thibaut Pinot, Arnaud Démare, David Gaudu e Stefan Kung. A equipa francesa liderada por Marc Madiot tinha esse compromisso e foi só cumprir o que tinha prometido no início da temporada. Pinot diz que com os seus 30 anos se encontra em plena maturidade para ganhar um Tour e que o projecto da Groupama ainda está para durar. David Gaudu de apenas 23 anos é uma das jóias da coroa do ciclismo francês e o jovem fez 13º lugar o ano passado na geral do Tour, uma estreia de grande destaque. Arnaud Démare é o melhor sprinter francês e já sabe o que é ganhar etapas no Tour e no Giro. O suíço Kung também é um grande ciclista e que ser medalha de bronze no Mundial de Yorkshire não é propriamente um resultado modesto.

Romain Bardet parece estar disposto a terminar a sua longa carreira na AGR La Mondiale que já dura desde 2012. Por isso, acha que é tempo de mudar de ares e tentar sair de França. A Sunweb pelos vistos acenou-lhe com um contrato muito interessante e um projecto virado para construir uma equipa para o ajudar a conquistar o tão sonhado Tour de França. A equipa alemã tem um conjunto de média de idades na volta dos 26 anos e os quase 30 de Bardet são o ideal para liderar uma equipa que parece querer apostar num 2021 de grande sucesso.

O Giro de Itália de 2020 começará muito provavelmente em Palermo com um contra-relógio. As duas etapas que estavam programadas para a Hungria serão substituídas por Basilicata e Abruzzo. A RCS Sport, a organizadora da prova, é contra a inserção de novas etapas na segunda metade da corrida, para garantir que as principais etapas de montanha se realizem durante os fins-de-semana, para maximizar os possíveis números de exibição na televisão. Lembremos que o Giro está marcado para 20 de Outubro e 8 de Novembro. O diretor da prova, Mauro Vegni, disse que a nova rota será revelada com uma apresentação virtual, on-line no final de junho ou início de julho. Informou que espera organizar um Giro d’Italia de ‘portas abertas’, mas são esperadas algumas restrições quanto ao tamanho da multidão no início e no final. Os protocolos COVID-19 deverão ser respeitados no Giro d’Italia e em outras grandes corridas programadas para agosto e setembro.  

A Vuelta 2020 através Unipublic, organizadora da prova, já revelou as etapas substitutas das duas que se realizariam em Portugal, uma com chegada ao Porto e outra a sair de Viseu. As possíveis substitutas são as etapas, Mos-Puebla de Sanabria, muito perto de Bragança, e uma outra etapa a começar em Salamanca e acabar em Ciudad Rodrigo. Lembremos que a Vuelta tinha previsto iniciar este ano a sua edição na Holanda. Javier Guillén director da prova tem muita pena por não passar em Portugal, um país que muito bem os tem tratado. Fica a promessa das passagens adiadas para 2021.