FPC reúne com a DGS na próxima 2ª feira, em relação ao plano de ação da Volta

Ainda nada está decidido em definitivo em relação à realização da Volta a Portugal, muito embora o Governo dê mostras de abrir a realização de atividades desportivas de ar livre, dentro em breve e com alguns condicionalismos. De fora, pelo menos por enquanto, deverão ficar deste plano a realização de eventos de grandes massas, como provas de trail, grandfondos ou maratonas ou provas similares abertas .

Jorge Teixeira, responsável máximo da Runporto, e o maior organizador de eventos de massa do nosso país, admitiu já que em 2020 não realizará nenhum evento ao vivo, dadas as implicações existentes, para quem organizava eventos com mais de cinco mil participantes.

Mas a Volta a Portugal tem que começar a definir-se . A Federação sabe disso, e na próxima segunda feira, em Lisboa, pelas 18.30 reunir-se-á com a Direção Geral da Saúde, com a presença do secretário de Estado e de representantes do Podium, para discutir o plano de ação apresentado pela FPC, para a realização da Volta e de outras provas no setor profissional.

E, relação à Volta ,sabe-se que a organização sempre está na disposição de colocar na estrada, caso esta venha a ter luz verde, um pelotão de 19 equipas, o que de alguma forma poderemos considerar anormal, atendendo ao atual estado, isto também se tivermos em linha de conta que no passado, nunca houve um número tão alargado de equipas, o que no mínimo é estranho.

Esperemos mais alguns dias para sabermos se o ciclismo irá animar as estradas de Portugal, contribuindo para o desconfinamento assertivo dos portugueses.