Será que as equipas irão ser compensadas em 2021 ?

No meio do ciclismo reina um inusitado estado de impaciência e as equipas aguardam alguma luz ao fundo do túnel, uma simples palavra de quem dirige a modalidade, já para não falar, na eventual possibilidade de apoio, como o fazem outras federações.

As pessoas interrogam-se , ficam à espera de informações, que o ciclismo é caro já todos o sabemos, que há insuficiências nas equipas ditas profissionais do nosso burgo, também o sabemos, mas nem todos passam as mesmas privações. Sem receitas de direitos televisivos, sem bilhetes de entrada, sem possibilidades de receitas sobre transferências de ciclistas, o ciclismo basta-se apenas com os proventos da publicidade que, nos tempos que correm, são difíceis de serem cumpridos, até porque o móbil com que essa publicidade deverá ser exposta não é feita. São momentos de exceção, por isso, as contingências são grandes , e as medidas deverão ser também excecionais, mas essa contingência, pelos vistos só abrange aqueles que estão no terreno, que fazem das tripas coração para pagarem umas das inscrições mais caras do desporto português.

A UCI , essa só pensa no ciclismo World Tour, levou de cada equipa nacional a módica quantia de quase 10.000 euros de cada uma o que é muito dinheiro, se tivermos em linha de conta que são perto de 150 equipas em todos o mundo, só no escalão Continental UCI.

Pergunta-se o que faz a UCI por essas equipas: NADA. O sistema foi bem montado, ardilosamente, montou um calendário internacional, em que os organizadores pagam e não é pouco, para que as suas provas sejam incluídas nesse calendário. Mesmo as provas nacionais de um país, que façam parte desse calendário, há numerus clausus para as equipas desse país que queiram participar, que têm de estar inscritas na UCI. Depois vem o dinheiro das multas. Não calculamos o valor mas são muitas centenas de milhares de euros. Muito dinheiro nenhum apoio, ao contrário da Federação Internacional de futebol (FIFA) que distribuiu 230 milhões de euros pelas suas Federações.

Na FPC são perto ou mesmo algum mais do que 5000 euros, é muito dinheiro, demasiado, para quem tão pouco recebe em troca.

Com toda esta situação, está na ideia de alguns diretores desportivos que, em 2021, serão compensados, com um bónus de desconto nas taxas de filiação, afinal este ano pagaram para nada… ou quase nada.