Classificações difíceis na Póvoa de Varzim

Nem tudo esteve bem na Clássica da Primavera, disputada debaixo de condições climatéricas difíceis, para a equipa de comissários que se apresentou na linha de partida.

Primeiro porque a sua missão não deverá ter sido nada fácil ao longo dos 141 kms de corrida. Motivo ? Difícil decerto comandar uma corrida, com uma chegada em que as classificações são escrutinadas sem o recurso a uma classificação eletrónica, e ainda por cima sem uma placa identificativa da cada ciclista nas bicicletas. Terá havido recurso a imagens vídeo, naturalmente sempre difíceis nestas condições. Classificações tarde, classificações sem identificação dos ciclistas, na grande maioria das contagens do PM, Metas Volantes e classificação do vencedor dos Pavés.

Um ponto que também não passou em claro, foram as indicações que deveriam ter sido transmitidas pela entidade que gere o Corpo de Comissários, para a situação que acontece em todo o mundo, em relação às medidas adotadas para a prevenção do Corona Vírus. As provas em Portugal, pelo menos neste capítulo deviam seguir as mesmas regras, aliás decretadas pela UCI sobre a matéria.