Tour: cada vez mais montanhoso, cada vez mais duro

Como será o Tour de France no próximo ano? O organizador ASO apresentou a corrida hoje, em Paris, e criou algumas etapas inéditas especialmente a chegada ao topo do Col de la Loze, mas também a última tirada, um decisivo C/RI montanhoso no col La Planche des Belles Filles .

Um Tour para trepadores ? Esta é, pelo menos a opinião da maioria dos ciclistas, e do agrado de homens como Bernal e Froome, mas também um Tour com muitas oportunidades para os atacantes, como Alaphilippe, convertido na esperança sebastianista dos franceses. Um Tour que não atrairá muito os sprinters, terão quando muito seis possibilidades de fazerem o que sabem melhor, mas com hipóteses reduzidas, de um deles lutar pelo jersey verde.

Esta é a programação da turnê da França 2020: "Não há excursão para ciclistas, mas para alpinistas", disse Tourbaas Christian Prudhomme
A apresentação do Tour atrai anualmente mais de mil espetadores, sendo só por si um espetáculo marcante do desporto francês.

Um Tour se, atentarmos no mapa, que sem qualquer preconceito percorre metade da França, esquecendo-se do Norte, onde está a alma do ciclismo francês, fazendo lembrar pela negativa, os que em Portugal dizem que a nossa Volta não o é, por não percorrer todo o território. Começa em Nice e acaba em Paris, como habitualmente, depois de percorridos 3470 kms.

Se estivermos atentos poderemos verificar a tendência em limitar os C/R, quer sejam individuais quer coletivos. Nesta edição apenas um de 36 kms, e com percurso montanhoso, que pode criar dissabores aos grandes especialistas, limitados face ao percurso.

Esta é a programação da turnê da França 2020: "Não há excursão para ciclistas, mas para alpinistas", disse Tourbaas Christian Prudhomme
Estes serão os grande protagonistas em 2020 ?




Não há Tourmalet, Alpe d’Huez, Galibier ou Mont Ventroux no Tour de 2020. “Não há montanhas este ano”,gozou com a situação Christian Prudhomme que continuou afirmando “Estamos sempre à busca de novos desafios, mas os fãs não se preocupem, há muitas montanhas e to respeito pela história e prestígio do Tour”.

São 29 as contagens de montanha de segunda, primeira ou Hors Categoria que estão previstas no Tour 2020, uma a menos que a deste ano.

A grande novidade acontecerá na etapa Grenoble – Meribel ( Col d’ Eze), que inclui o col de la Madeleine ( 17,5 kms a 8,4% de inclinação) e o col de la Loze, onde termina a etapa depois de 21,5 kms sempre a empinar .

A grande novidade do Tour em 2020. O col de la Loze

As etapas:

Sábado, 27 de junho: Nice-Nice (170 km)

Domingo 28 de junho: Nice-Nice (190 km)

Segunda-feira 29 de junho: Nice-Sisteron

Terça-feira, 30 de junho: Sisteron – Orcières-Merlette

Quarta-feira, 1 de julho: Gap – Privas

Quinta-feira, 2 de julho: Le Teil – Mont Aigoual

Sexta-feira, 3 de julho: Millau – Lavaur

Sábado, 4 de julho: Cazères – Loudenvieille

Domingo, 5 de julho: Pau – Laruns

Segunda-feira, 6 de julho: dia de descanso em Châtelaillon-Plage

Terça-feira, 7 de julho: Île d’Oléron – Île de Ré

Quarta-feira, 8 de julho: Châtellailon – Poitiers

Quinta-feira, 9 de julho: Chauvigny – Sarran

Sexta-feira, 10 de julho: Châtel-Guyon – Puy Mary

Sábado, 11 de julho: Clermont-Ferrand – Lyon

Domingo 12 de julho: Lyon – Grand Colombier

Segunda-feira 13 de julho: segundo dia de descanso em Grenoble

Terça-feira, 14 de julho: La Tour du Pin – Villars de Lans

Quarta-feira, 15 de julho: Grenoble – Méribel (Col de la Loze)

Quinta-feira, 16 de julho: Méribel – La Roche-sur-Foron

Sexta-feira, 17 de julho: Bourg-en-Bresse – Champagnole

Sábado, 18 de julho: Isca – Planches des Belle Filles (contra-relógio)

Domingo, 19 de julho: Versalhes-Paris